CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

UMA INTRODUÇÃO À DOUTRINA DAS ÚLTIMAS COISAS - Por Thiago Mancini (parte 3/3)




AS 7 SEÇÕES DO LIVRO DE APOCALIPSE

tempo do fim




Introdução:

     Como introdução desta terceira e última mensagem no Livro de Apocalipse, vamos estudar o Paralelismo Progressivo que é a melhor maneira de entender e de interpretar o precioso Livro de Apocalipse.

     O Livro de Apocalipse não deve ser visto e não pode ser entendido como um Livro Cronológico do Capítulo 1 até o Capítulo 22, por que o Apóstolo João não registra a mensagem de Apocalipse em ordem cronológica e linear.

     O melhor Sistema de Interpretação do Livro de Apocalipse é o Paralelismo Progressivo; e de acordo com o Paralelismo Progressivo, o Livro de Apocalipse consiste de 7 Seções paralelas entre si, com cada Seção descrevendo a Igreja e o Mundo desde a época da Primeira Vinda de Cristo até à época da Segunda Vinda de Cristo.


     As 7 Seções do Livro de Apocalipse descrevem os mesmos acontecimentos, porém com nuances diferentes e com linguagem diferente, mas com a mesma essência, com a mesma particularidade, narrando do começo ao fim da História.

     Ou seja, é como se o Apóstolo João contasse a mesma história 7 vezes no Livro de Apocalipse, com cada Seção descrevendo uma cena do fim, que vai ficando cada vez mais clara e mais viva e mais intensa até chegar ao relato apoteótico da última Seção!

     As 7 Seções do Livro de Apocalipse estão agrupadas em duas divisões principais:

1ª Divisão:  Apocalipse 1 – Ap 11

2ª Divisão: Apocalipse 12 – Ap 22

     A 1ª Divisão: Apocalipse 1 – Ap 11 descreve a perseguição do Sistema do Mundo e dos próprios ímpios contra a Igreja.

     A 2ª Divisão: Apocalipse 12 – Ap 22 descreve a perseguição do dragão e dos agentes do mal contra a Igreja.

     De Apocalipse 1 até Apocalipse 11 está descrito o conflito entre os homens; ou seja, o conflito entre os cristãos e os ímpios, em que o Mundo ataca a Igreja, mas a Igreja é vitoriosa!

     Agora, de Apocalipse 12 até Apocalipse 22, o conflito entre o bem e o mal alcança proporções ainda maiores, quando o dragão que ataca Cristo é rechaçado e dirige toda a fúria do mal contra a Igreja, que no fim, também é vitoriosa!

1ª Seção: Os 7 Candeeiros (Ap 1 – Ap 3).
2ª Seção: Os 7 Selos (Ap 4 – Ap 7).    
3ª Seção: As 7 Trombetas (Ap 8 – Ap 11).
4ª Seção: A Tríade do Mal, o Dragão, a Besta do Mar e a Besta da Terra (Ap 12 – Ap 14).
5ª Seção: As 7 Taças do Juízo de Deus (Ap 15 – Ap 16).
6ª Seção: A Derrota da Tríade do Mal (Ap 17 – Ap 19).
7ª Seção: O Reinado de Cristo (Ap 20 – Ap 22).

1ª Seção: Os 7 Candeeiros (Ap 1 – Ap 3)

     A 1ª Seção é a mensagem da aparição de Cristo e das 7 cartas às 7 Igrejas (Igreja de Éfeso, Igreja de Esmirna, Igreja de Pérgamo, Igreja de Tiatira, Igreja de Sardes, Igreja de Filadélfia e Igreja de Laodicéia) que; na verdade, são 7 candeeiros.

     A grande mensagem da 1ª Seção do Livro de Apocalipse que vai de Ap 1 até Ap 3 é que Cristo tem o controle da Igreja nas mãos.

     Aqui, há uma descrição do Cristo que morre, do Cristo que ressuscita, do Cristo que vai voltar e do Cristo que anuncia o juízo de Deus:

     “João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco da parte daquele que é, e que era, e que há de vir, e da dos sete Espíritos que estão diante do seu trono; e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o príncipe dos reis da terra.

     Àquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados, e nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai, a ele, glória e poder para todo o sempre. Amém!
     Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim! Amém!

     Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-poderoso.” (Ap 1.4 – 8).

     Ou seja, já que a morte e a ressurreição de Cristo são o começo da Era Cristã e a Segunda Vinda de Cristo é o término da Era Cristã, a 1ª Seção do Livro de Apocalipse tanto narra o começo da História quanto narra o fim da História.

2ª Seção: Os 7 Selos ( Ap 4 – Ap 7 )

     A grande mensagem da 2ª Seção do Livro de Apocalipse que vai de Ap 4 até Ap 7 é que Cristo tem o controle da História nas mãos!

     O Apóstolo João, quando estava contemplando o trono de Deus, viu na mão direita de Deus um livro em forma de um rolo escrito dos dois lados, por dentro e por fora, e selado com 7 selos; pelo que um anjo forte perguntava em alta voz se no Mundo todo havia alguém que pudesse quebrar os selos e abrir o livro.

     Porém, como em todo o Universo não havia ninguém que fosse poderoso o suficiente para desatar os 7 selos e ler o livro, João começa a chorar desesperadamente e compulsivamente, até que um dos anciãos manda João parar de chorar, por que Jesus Cristo, o Leão da Tribo de Judá, o Cordeiro de Deus venceu e foi capaz de desatar os 7 selos e ler o livro:

     “E vi na destra do que estava assentado sobre o trono um livro escrito por dentro e por fora, selado com sete selos.
     E vi um anjo forte, bradando com grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de desatar os seus selos?
     E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele.
     E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele.
     E disse – me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, que venceu para abrir o livro e desatar os seus sete selos. ” (Ap 5.1 – 5).

     Ou seja, Jesus Cristo tem o completo e absoluto controle e domínio da História nas mãos!

      A 2ª Seção (a Seção dos 7 Selos: Ap 4 – Ap 7) reitera a 1ª Seção ( A Seção dos 7 Candeeiros: Ap 1–Ap 3 ); cuja revelação vai do princípio dos tempos ao fim dos tempos, no Juízo Final.

     Se na 1ª Seção o Juízo Final é apenas anunciado, na 2ª Seção o Juízo Final é definitivamente introduzido quando o 6º selo é aberto, e pavorosas catástrofes naturais e sobrenaturais começam a acontecer; pelo que ao passo que os ímpios estão aterrados de medo com o fato de terem que enfrentar a ira de Deus na segunda vinda de Cristo, os cristãos estão alegres pela volta de Cristo.
    
     Em Ap 6 a segunda vinda de Cristo está causando pavor e medo nos ímpios que começam a procurar a morte para se esconderem da ira de Deus:

     “E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo servo, e todo livre se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas e diziam aos montes e aos rochedos:
     Caí sobre nós e escondei – nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono e da ira do Cordeiro, porque é vindo o grande Dia da sua ira; e quem poderá subsistir? ” (Ap 6.15 – 17).

     Mas em Ap 7, a segunda vinda de Cristo enche de alegria e de felicidade a alma dos cristãos:

     “Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede; nem sol nem calma alguma cairá sobre eles, porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida; e Deus limpará de seus olhos toda lágrima.” (Ap 7.16 – 17).

     Na 1ª Seção, quando fala dos 7 Candeeiros, o Apóstolo João fala da segunda vinda de Cristo; e na 2ª Seção, quando fala dos 7 Selos, o Apóstolo João também fala da segunda vinda de Cristo.

     Ou seja, isto prova que de fato e de verdade o Paralelismo Progressivo que encara o Livro de Apocalipse como 7 Seções paralelas entre si, é o melhor meio de interpretar o último Livro da Bíblia Sagrada.

     Não é que Cristo ainda vai voltar mais duas vezes. Cristo vai voltar somente uma vez mais; porém, aqui em Apocalipse, é como se o Apóstolo João contasse a mesma história 7 vezes, com cada Seção descrevendo uma cena do fim, que vai ficando cada vez mais e mais clarificada...

3ª Seção: As 7 Trombetas (Ap 8 – Ap 11)

     A grande mensagem da 3ª Seção do Livro de Apocalipse que vai de Ap 8 até Ap 11 é que a Igreja é vitoriosa sobre todas as hostes do mal!

     As 7 Trombetas não anunciam o Juízo Final de Deus, as 7 Trombetas anunciam o Juízo Parcial de Deus.

     Antes do Juízo Final (representado pelas 7 Taças da Ira de Deus) vem o Juízo Parcial (representado pelas 7 Trombetas); por que Deus nunca manda um juízo sobre a Terra sem antes avisar sobre o juízo, oferecendo uma oportunidade de arrependimento!
    
     Quando a 7ª Trombeta é tocada, é anunciada a segunda vinda de Cristo:

     “E tocou o sétimo anjo a trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre. ” (Ap 11.15).

     Na 1ª Seção, quando fala dos 7 Candeeiros, o Apóstolo João fala da segunda vinda de Cristo. Na 2ª Seção, quando fala dos 7 Selos, o Apóstolo João também fala da segunda vinda de Cristo. E agora, na 3ª Seção, quando fala das 7 Trombetas, o Apóstolo João também fala da segunda vinda de Cristo e do Juízo Final.

     Não é que Jesus vai voltar três vezes; Jesus vai voltar ainda uma segunda vez, mas o Apóstolo João está descrevendo a segunda vinda de Cristo várias vezes; fato este que prova que o Paralelismo Progressivo é de fato o melhor método de interpretação do Livro de Apocalipse.

     O Senhor Jesus está reinando no presente, e convém que o Senhor Jesus reine até que o Diabo, o Anticristo, o falso profeta, o dragão, a serpente, a besta, todas as hostes do mal, a morte e o inferno sejam liquidados; e então, o Senhor Jesus entregará o Reino ao Deus Pai, a fim de que Deus seja tudo em todos.

     “Mas cada um por sua ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda. Depois, virá o fim, quando tiver entregado o Reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo império e toda potestade e força.
     Porque convém que reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés. Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte.
     Porque todas as coisas sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua aquele que sujeitou todas as coisas.
     E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então, também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos.”  (ICo 15.23 – 28 ).

     Apesar de possuir 7 Seções paralelas, o Livro de Apocalipse possui duas divisões principais: Ap 1 até Ap 11 e Ap 12 até Ap 22; sendo que a 1ª Divisão:  Ap 1 até Ap 11 descreve a perseguição do sistema do Mundo e dos próprios ímpios contra a Igreja e a 2ª Divisão: Ap 12 até Ap 22 descreve a perseguição do dragão e dos agentes do mal contra a Igreja.

     À partir de Ap 12 a batalha do Mundo contra a Igreja se torna mais renhida, por que o próprio Satanás está concentrando todos os esforços possíveis na tentativa de destruir a Igreja.

4ª Seção: As Tríade do Mal ( Ap 12 – Ap 14 )

     A 4ª Seção do Livro de Apocalipse fala do nascimento de Cristo: ( Ap 12.5 ); e fala da perseguição do mal contra Cristo e contra a Igreja: ( Ap 12.13 ).
     O nascimento de Cristo narrado na 4ª Seção do Livro de Apocalipse: “ E deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu   trono. ” ( Ap 12.5 ).

     A perseguição contra Cristo e contra a Igreja narrada na 4ª Seção do Livro de Apocalipse: “E, quando o dragão viu que fora lançado na terra, perseguiu a mulher que dera à luz o varão.” (Ap 12.13).

     Em Ap 13 a Igreja continua sendo cruelmente perseguida até que em Ap 14, novamente há uma descrição da segunda vinda de Cristo (que mesmo perseguido pela tríade do mal, constituída pelo dragão, pela besta e pelo falso profeta) é vitorioso:

     “E olhei, e eis uma nuvem branca e, assentado sobre a nuvem, um semelhante ao Filho do Homem, que tinha sobre a cabeça uma coroa de ouro e, na mão, uma foice aguda.
     E outro anjo saiu do templo, clamando com grande voz ao que estava assentado sobre a nuvem: Lança a tua foice e sega! É já vinda a hora de segar, porque já a seara da terra está madura!
     E aquele que estava assentado sobre a nuvem meteu a sua foice à terra, e a terra foi segada.” (Ap 14.14–16 ).

     Na 1ª Seção, quando fala dos 7 Candeeiros, o Apóstolo João fala da segunda vinda de Cristo; na 2ª Seção, quando fala dos 7 Selos, o Apóstolo João também fala da segunda vinda de Cristo; na 3ª Seção, quando fala das 7 Trombetas, o Apóstolo João também fala da segunda vinda de Cristo e do Juízo Final.
     E agora, na 4ª Seção, quando fala da tríade do mal, o Apóstolo João também fala da segunda vinda de Cristo e do Juízo Final.

     Não é que Jesus vai voltar quatro vezes; Jesus vai voltar ainda uma segunda vez, uma única vez; mas o Apóstolo João está descrevendo a segunda vinda de Cristo várias vezes; fato este que prova que o Paralelismo Progressivo é de fato o melhor método de interpretação do Livro de Apocalipse que não deve ser visto e não pode ser entendido como um Livro Cronológico do Capítulo 1 até o Capítulo 22.


5ª Seção: As 7 Taças da Santa Ira de Deus ( Ap 15 – Ap 16 )

     A grande mensagem da 5ª Seção do Livro de Apocalipse que vai de Ap 15 até Ap 16 é a descrição das 7 Taças da Ira de Deus que representam a visitação final e definitiva da ira de Deus sobre os impenitentes!

     As Taças da Ira de Deus são endereçadas aos mesmos locais das trombetas; porém se as Trombetas destroem apenas 1/3 da Terra, as Taças da Ira de Deus destroem toda a Terra; por que aquilo que Deus alertou nas 7 Trombetas agora é consumado nas        7 Taças!

     A 5ª Seção anuncia a segunda vinda de Cristo de forma inesperada como um ladrão: (Ap 16.15); e a 5ª Seção também anuncia uma espantosa descrição do Juízo Final: (Ap 16.17 – 21).

     A Segunda Vinda de Cristo narrada na 5ª Seção do Livro de Apocalipse: “Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestes, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas.” (Ap 16.15).

     O Juízo Final narrado na 5ª Seção do Livro de Apocalipse: “E o sétimo anjo derramou a sua taça no ar, e saiu grande voz do templo do céu, do trono, dizendo: Está feito!
     E houve vozes, e trovões, e relâmpagos, e um grande terremoto, como nunca tinha havido desde que há homens sobre a terra; tal foi este tão grande terremoto.
     E a grande cidade fendeu – se em três partes, e as cidades das nações caíram; e da grande Babilônia se lembrou Deus para lhe dar o cálice do vinho da indignação da sua ira.
     E toda ilha fugiu; e os montes não se acharam. E sobre os homens caiu do céu uma grande saraiva, pedras do peso de um talento; e os homens blasfemaram de Deus por causa da praga da saraiva, porque a sua praga era mui grande” (Ap 16.17 – 21).

     Ou seja, semelhante à 1ª Seção, semelhante à 2ª Seção, semelhante à 3ª Seção e semelhante à 4ª Seção do Livro de Apocalipse; a 5ª Seção do Livro de Apocalipse também fala do Juízo Final e fala da segunda vinda de Cristo!

     Consequentemente, o Livro de Apocalipse não está escrito como um livro cronológico do Capítulo 1 até o Capítulo 22, por que o Apóstolo João não registrou a mensagem de Apocalipse em ordem cronológica e linear.
    
     O Livro de Apocalipse consiste de 7 Seções paralelas, com cada seção narrando a segunda vinda de Cristo e o Juízo Final de Deus sobre os ímpios e impenitentes.

     Ou seja, é como se o apóstolo João contasse a mesma história 7 vezes no Livro de Apocalipse, com cada Seção descrevendo uma cena do fim, que vai ficando cada vez mais e mais clara até chegar ao relato triunfante e glorioso da última Seção!

6ª Seção: A Derrota da Tríade do Mal (Ap 17–Ap 19)

     Na 4ª Seção que vai de Ap 12 até Ap 14, a tríade do mal que personifica os inimigos de Cristo são apresentados: o dragão; a besta que sobe do mar, que é o  anticristo, e a besta que sobe da terra, que é o falso profeta.
     Agora, na 6ª Seção do Livro de Apocalipse que vai de Ap 17 até Ap 19 todos os inimigos de Cristo são sumariamente vencidos, subjugados e derrotados: o dragão é derrotado; a besta que sobe do mar, que é o  anticristo é vencido; e a besta que sobe da terra, que é o falso profeta é aniquilado!

     Após apresentar a derrota dos inimigos de Cristo, a 6ª Seção do Livro de Apocalipse apresenta a Igreja como esposa de Cristo, relata a Festa de Casamento entre Cristo (o noivo) e a Igreja (a noiva), relata o Juízo Final, relata a diferença gritante entre os cristãos e os ímpios, e relata detalhadamente a gloriosa e triunfante vinda de Cristo:

     “E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça.
     E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito que ninguém sabia, senão ele mesmo.
     E estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.
     E seguiam – no os exércitos que há no céu em cavalos brancos e vestidos de linho fino, branco e puro.
     E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso.
     E na veste e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos Reis e Senhor dos Senhores.” (Ap 19.11–16).
 
7ª Seção: O Reinado de Cristo ( Ap 20 – Ap 22 )

     A grande mensagem da 7ª Seção do Livro de Apocalipse que vai de Ap 20 até Ap 22 é o reinado de Cristo no céu juntamente com os cristãos!

     A 7ª Seção do Livro de Apocalipse ensina que o reinado de Cristo com os cristãos será no céu como ensina o amilenismo e não na terra por 1000 anos como ensina o pré – milenismo.

     Ap 20 descreve o juízo final:

     “E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles.
     E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram – se os livros. E abriu – se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.
     E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras.
     E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte.
     E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.” (Ap 20.11–15).

     Imediatamente após a descrição do Juízo Final em Ap 20 quando todos os inimigos de Cristo, os ímpios, o inferno e a morte hão de ser lançados no Lago de Fogo e de Enxofre, está a descrição do novo céu, da nova terra e do reinado da Igreja com Cristo para todo o sempre:

     “E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.
     E eu, João, vi a Santa Cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.
     E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles e será o seu Deus.
     E Deus limpará de seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas.
     E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse – me: Escreve, porque estas palavras são verdadeiras e fiéis.
     E disse – me mais: Está cumprido; Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida.
     Quem vencer herdará todas as coisas, e eu serei seu Deus, e ele será meu filho.
     Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte”  (Ap 21.1 – 8).

     Então, apesar de serem paralelas, as 7 Seções do Livro de Apocalipse também são progressivas, com cada seção revelando mais claramente o Juízo Final, a volta de Cristo e o reinado de Cristo e da Igreja!

     Dentre todos os 66 livros da Bíblia o Livro de Apocalipse é justamente o Livro que possui a maior visão panorâmica da História e do controle máximo que Deus possui sobre a História!

     A mensagem do Livro de Apocalipse que confortou os cristãos primitivos e que deve também servir de consolo para os cristãos contemporâneos é que muito embora as coisas possam ficar difíceis, Deus está assentado em um trono, Deus está com o controle e com o domínio da História nas mãos, e Deus está guiando a Igreja para o céu, aonde não haverá mais dor e nem pranto!

     “Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer.” ( Ap 1.1a ).

     Apocalipse não é a revelação das coisas que podem acontecer. Apocalipse tampouco é a revelação de fatos que podem suceder e muito menos Apocalipse é a revelação de fatos que estão previstos para talvez acontecerem em um futuro muito distante.

     Apocalipse é uma revelação absolutamente contundente de fatos que em breve vão acontecer com toda a certeza: “Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer.” (Ap 1.1a).

     Apocalipse é um Livro aberto no qual estão revelados os planos e os propósitos de Deus para a Igreja. Apocalipse não é apenas e tão somente a revelação das últimas coisas.

     Apocalipse é, sobretudo, a saga do Cristo vencedor!

     Muito mais do que fala de fatos escatológicos, o majestoso Livro de Apocalipse fala da gloriosa pessoa de Cristo. Antes de falar fundamentalmente de eventos futuros, Apocalipse é a revelação de Jesus Cristo: “Revelação de Jesus Cristo” (Ap 1.1a).
     Quando veio ao mundo a primeira vez, o Senhor Jesus veio com uma missão específica: revelar o Deus Pai; contudo, se no Evangelho, o Senhor Jesus está revelando o Deus Pai, no Apocalipse, o Deus Pai é quem está revelando o Deus Filho, uma vez que o Apocalipse é a revelação de Jesus Cristo: “Revelação de Jesus Cristo...” (Ap 1.1a).

     E como é que o Deus Pai revela o Deus Filho?
Qual é o quadro que o Deus Pai pinta do Deus Filho para a Igreja no Livro de Apocalipse?
     Um servo lavando os pés dos discípulos?
Uma ovelha muda que vai para o matadouro?
Um condenado à morte com o corpo desfigurado de tanto apanhar e com o rosto empapuçado de sangue?
Um criminoso com os pés e com as mãos atadas à uma cruz de madeira?

     Não, absolutamente não!

     A revelação que o Deus Pai fornece do Deus Filho no Livro de Apocalipse é a revelação de um Cristo conquistador, vencedor, glorioso e triunfante!

     Se nos Evangelhos, os cabelos do Senhor Jesus estão cheios de sebo, de suor e de sangue; no Livro de Apocalipse os cabelos do Senhor Jesus são brancos como a neve!

     Se nos Evangelhos, os olhos do Senhor Jesus estão inchados de tanto chorar, no Livro de Apocalipse os olhos do Senhor Jesus são como poderosas chamas de fogo!

     Se nos Evangelhos os pés do Senhor Jesus estão pregados em uma cruz de madeira, no Livro de Apocalipse os pés do Senhor Jesus são semelhantes ao bronze polido!

     Se nos Evangelhos a voz do Senhor Jesus está rouca, no Livro de Apocalipse a voz do Senhor Jesus é como que voz de muitas águas!

     Se nos Evangelhos a língua do Senhor Jesus está presa ao céu da boca por causa da sede, no Livro de Apocalipse sai uma espada afiada de dois gumes da boca de Jesus!

     Se nos Evangelhos as mãos do Senhor Jesus estão cravejadas de pregos, no Apocalipse o Senhor Jesus está segurando 7 estrelas na mão direita!

     Se nos Evangelhos o rosto do Senhor Jesus está desfigurado de tanto apanhar e está banhado em sangue e em suor, no Apocalipse o rosto do Senhor Jesus brilha como o sol ao meio – dia!

     O grande objetivo do Livro de Apocalipse não é dar à Igreja uma tabela do tempo do fim, para que os cristãos calculem quando será a segunda vinda de Cristo; o objetivo maior do Livro de Apocalipse é revelar o Senhor Jesus para a Igreja.

     E justamente por que o Apocalipse é a revelação de Jesus Cristo: “Revelação de Jesus Cristo...” ( Ap 1.1a ); a Igreja precisa olhar para o Cristo do Apocalipse que é o Cristo da vitória, que é o Cristo que venceu a morte e triunfou sobre todas as hostes do mal.
     Quando veio ao mundo a primeira vez, a glória de Cristo estava encoberta por que o próprio Cristo viveu se esvaziando da própria glória:

     “Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou – se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz.” (Fp 2.5b–8).

     Todavia, na segunda vinda, registrada no Livro de Apocalipse a glória de Cristo será auto-evidente:

     “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim! Amém! Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-poderoso. ” (Ap 1.7-8).

     Apocalipse traz uma saudação de encorajamento e não de medo: “João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco.” (Ap 1.4a).

     Graça e Paz não é uma saudação de terror, Graça e Paz é uma saudação de doçura e de encorajamento para uma Igreja que está passando pelo vale do martírio!
     Ou seja, e um tempo de perseguição, de luta, de massacre, de tortura, de pavor, de angústia, de sombras e de provas, o Senhor Deus está enviando à Igreja, Graça e Paz.

Conclusão

     Quando o Senhor Jesus em forma gloriosa aparece a João para revelar a João e à Igreja as coisas que em breve devem acontecer a reação de João foi cair aos pés de Jesus como morto: “E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto.” (Ap 1.17a .

     É um fator preocupante que a Igreja no afã da curiosidade com datas e com profecias se aproxima do Livro de Apocalipse para marcar datas para a segunda vinda de Cristo e se encantar com o Calendário Profético!

     Quando o Apóstolo João tem uma compreensão das profecias bíblicas por revelação direta do próprio Senhor Jesus, a reação do Apóstolo João não é outra senão se prostrar aos pés de Jesus: “E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto.” (Ap 1.17a).

     Ou seja, a Igreja e os cristãos não podem estudar a História do Livro de Apocalipse e a revelação do Apocalipse a não ser se prostrando aos pés de Jesus para reconhecer que Jesus é glorioso e majestoso!

     O apóstolo João registra uma descrição gloriosa da vinda do Senhor Jesus:
     “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim! Amém!” (Ap 1.7).

     A verdade de Ap 1.7 do retorno do Senhor Jesus é a verdade mais preciosa da Bíblia, por que a volta de Jesus enche o coração do crente de alegria e fortalece o crente para que o crente enfrente as lutas da vida na certeza de que Jesus vai voltar.
     A verdade de Ap 1.7 do retorno do Senhor Jesus eleva o cristão por cima das lutas, por cima das provas, por cima dos temores e por cima das necessidades do Mundo.

     A verdade de Ap 1.7 do retorno do Senhor Jesus é que as nuvens serão a carruagem de Jesus, os anjos serão a escolta de Jesus, o arcanjo será o arauto de Jesus e os cristãos serão o cortejo de Jesus.

     O grande tema do Livro de Apocalipse é a glória e a vitória da segunda vinda de Cristo!

     Quando Jesus virá?

     Muitos estudiosos, precipitadamente tentam marcar datas para a volta de Jesus. Contudo, todos os eruditos da Bíblia que tentaram marcar uma data para a volta de Jesus ao estudarem o Livro de Apocalipse foram frustrados e sofreram opróbrio, vergonha e vexame.

     Não é possível identificar e nem mesmo agendar a data da segunda vinda de Cristo através do estudo do Livro de Apocalipse.

     A data da segunda vinda de Cristo pertence à economia da soberania de Deus; e vasculhar o corredor do tempo para agendar a segunda vinda de Cristo certamente não é o propósito e o objetivo de se estudar o Livro de Apocalipse.

     O ilustre comentarista bíblico Russel Norman Champlin, autor da Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia e autor do Comentário Bíblico do Antigo Testamento e do Novo Testamento versículo por versículo, expondo Ap 1.7 se aventurou em marcar uma data para a volta de Jesus.

     Russel Norman Champlin afirmou que a volta de Jesus haveria de acontecer no fim do Século XX, mais precisamente entre os anos de 1995 e 2000, pelo que Champlin caiu em desprezo e em opróbrio.

     Jesus é o Deus Todo-Poderoso: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-poderoso” (Ap 1.8).

     Então, diante de Jesus, o Senhor Deus Todo-Poderoso, a Igreja e os cristãos devem seguir a atitude do Apóstolo João e prorromper em adoração: “A Jesus Cristo sejam dados a glória e o poder para todo o sempre! Amém!” (Ap 1.6b).

     João se curva diante de Deus, João adora a Deus e tributa a Deus toda glória e poder para sempre: “A Jesus Cristo sejam dados a glória e o poder para todo o sempre! Amém!” (Ap 1.6b).

     Longe de nos instigar à uma curiosidade à respeito da data da volta de Jesus, o estudo do Livro de Apocalipse de levar a Igreja e os cristãos a se reunirem ao apóstolo João em adoração ao Cristo vencedor que tem o domínio absoluto da História nas mãos: “A Jesus Cristo sejam dados a glória e o poder para todo o sempre! Amém!” (Ap 1.6b).


Bibliografia 
_________________________________________________________________________________

Mais que Vencedores, William Hendriksen, Editora Cultura Cristã.

Apocalipse, Simon Kistemaker, Editora Cultura Cristã.

Apocalipse, Introdução e Comentário, Editora Vida Nova, George Ladd.

O Que Cristo Pensa da Igreja, Editora United Press, John Stott.

Comentário Bíblico Expositivo, Editora Geográfica, Warren Wiersbe.

A Igreja e as Últimas Coisas, Grandes Doutrinas Bíblicas Volume III, Editora PES, Martyn Lloyd-Jones.

Apocalipse – O Futuro Chegou, As Coisas que em Breve Devem Acontecer, Editora Hagnos, Hernandes Dias Lopes.

O Novo Testamento Interpretado, Comentário Versículo por Versículo – Volume VI, Editora Hagnos, Russell Norman Champlin.

Alerta Final, Steven J. Lawson, Editora CPAD.

Comentario Al Nuevo Testamento – Tomo 16, El Apocalisis, Editora Clie, William Barclay.  

Apocalipse de João, Comentário Esperança do Novo Testamento, Editora Evangélica Esperança, Adolf Pool.

A Mensagem do Apocalipse, Eu Vi o Céu Aberto, Editora ABU, Michael Wilcock.

Chave Linguística do Novo Testamento Grego, Editora Vida Nova, Fritz Rienecker e Cleon Rogers. 

A Escatologia do Novo Testamento, Editora Vida Nova, Russell Shedd.

Um comentário :

  1. fora as repetições. achei ótima essa introdução ao Apocalipse. me fez entender bem melhor o livro.

    ResponderExcluir

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria