CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

OS CRISTÃOS DEVEM SER ENCORAJADOS A SE ARMAREM?


arma de fogo john piper
    

OS CRISTÃOS DEVEM SER ENCORAJADOS A SE ARMAREM?



por John Piper  
Tradução: Thiago Mancini


 Como chanceler do Seminário e da Universidade de Bethlehem, eu quero enviar uma mensagem diferente para os nossos estudantes e para os leitores do Desiring God, do que a mensagem que Jerry Falwell Jr. enviou aos estudantes da Liberty University em um sermão na Capela do Campus no dia 4 de Dezembro.

     Por uma questão de segurança em seu Campus, e em vista das atividades terroristas, o Presidente Falwell encorajou os estudantes a conseguirem permissão para carregarem armas.

     Depois de dar a entender que tinha uma arma no seu bolso de trás, ele disse:

    "Eu quero aproveitar esta oportunidade para encorajar a todos vocês a conseguirem a suas permissões. Nós oferecemos um curso gratuito. E nós vamos lhe ensinar lições se eles aparecerem aqui."


     Ele esclareceu no dia 9 de Dezembro que a política da Liberty University agora inclui permissão para carregar armas nos dormitórios.

     Falwell e eu trocamos uma série de emails, e ele foi suficientemente gracioso para falar comigo no telefone e então eu pude entender tão claramente quanto possível.

     Eu queria deixar bem claro que a nossa discussão é entre irmãos cristãos que são capazes de expressar apreciação um pelo ministério do outro e um pela pessoa do outro.

     A minha principal preocupação neste artigo é com o apelo aos estudantes que os desperta para ter esta mentalidade: Vamos todos pegar em armas e lhes ensinar uma lição se eles vierem aqui.

     A principal preocupação é forjar nos cristãos uma disposição para usar a força letal, não como os policiais ou como os soldados, mas como cristãos comuns e ordinários em relação aos adversários prejudiciais.

     O problema não é primariamente sobre quando e se um cristão deve usar a força em defesa própria, ou em defesa de um membro da família ou de um amigo.

     Existem respostas significativamente ambíguas na resposta para esta questão. O problema é sobre todo o teor e o foco e o comportamento e a atitude do coração da vida cristã.

     Será que está de acordo com o Novo Testamento encorajar a atitude que diz, "Eu tenho o poder para matar você no meu bolso, então não mexa comigo."?

     A minha resposta é não.

     Aqui estão nove considerações que me levam à esta conclusão.

1] O Apóstolo Paulo chama os cristãos a não vingarem a si mesmos, mas a deixarem a vingança à ira de Deus, ao invés de pagarem o bem com o mal. E então, Paulo diz que Deus deu a espada (a arma) nas mãos dos governantes governamentais para expressar a ira na busca da  justiça neste mundo.
    
     O movimento de Romanos 12.17 – 21 que define a mentalidade dos cristãos em relação aos seus inimigos, até Romanos 13.1 – 4, que define os direitos e os deveres do governo, é crucial.
     Deus pretende revelar a Sua justiça na graça comum de policiais e de militares (Romanos 13.1 – 4).

     E Deus pretende revelar o supremo valor de Seu Filho e da Sua salvação na graça especial das pessoas cristãs que tem o poder miraculoso para entregarem a si mesmo aos cuidados de Deus enquanto sofrem injustamente.
    
     Romanos 12.17 – 21
    "Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai – vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens; não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito:

     A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor.
     Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá – lhe de comer; se tiver sede,       dá – lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça.
     Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem."( Rm 12.17 – 21 ).

     Romanos 13.1 – 4.
    "Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas.
     De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação.
     Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem.
     Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal." (Rm 13.1 – 4).
    
     Para ter certeza, existem ambiguidades na maneira em que a misericórdia cristã e a justiça cívica se cruzam. Mas nenhuma delas pode ser absorvida pela outra.
     Qualquer exaltação, ou cristianização da espada que silencia Romanos 12.19 – 20 perdeu o seu caminho.
     Por exemplo, qualquer reivindicação de que na democracia os cidadãos são o governo, e que portanto, podem assumir o papel do governante portador da espada em Romanos 13, está elevando a extrapolação política acima da revelação bíblica.
     Quando o apóstolo Paulo diz em Romanos 13.4 que os governantes não trazem a espada em vão:"visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal." (Romanos 13.4); ele não quer dizer que os cidadãos cristãos deveriam todos carregar espadas para que o inimigo não tenha nenhuma ideia brilhante.

2] O Apóstolo Pedro nos ensina que nós cristãos sempre vamos nos encontrar em sociedades aonde nós deveríamos esperar e aceitar maus tratos injustos sem retaliação.
    
     Antes de dispararmos de volta as nossas objeções e exceções à esta verdade, vamos fazer o nosso melhor para escutar e abraçar e ser transformados em nossos corações auto – protegidos por estes textos de I Pedro.
    
    "porque isto é grato, que alguém suporte tristezas, sofrendo injustamente, por motivo de sua consciência para com Deus." ( I Pe 2.19 ).

    "Pois que glória há, se, pecando e sendo esbofeteados por isso, o suportais com paciência? Se, entretanto, quando praticais o bem, sois igualmente afligidos e o suportais com paciência, isto é grato a Deus." ( I Pe 2.20 ).

    "não pagando mal por mal ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo, pois para isto mesmo fostes chamados, a fim de receberdes bênção por herança." (I Pe 3.9).

    "Mas, ainda que venhais a sofrer por causa da justiça, bem – aventurados sois. Não vos amedronteis, portanto, com as suas ameaças, nem fiqueis alarmados." (I Pe 3.14).

    "porque, se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal." (I Pe 3.17).

    "pelo contrário, alegrai – vos na medida em que sois co – participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando." (I Pe 4.13).

    "Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem – aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus." (I Pe 4.14).
    "mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso; antes, glorifique a Deus com esse nome." (I Pe 4.16).

    "Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus encomendem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem." (I Pe 4.19).

     Poucas mensagens são mais necessárias entre os cristãos americanos nos dias de hoje do que I Pedro 4.12:"Amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós, para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse.".
     As provas ardentes não são estranhas. E as provações em vista são hostilidades dos incrédulos, como o próximo versículo mostra:"pelo contrário, alegrai – vos na medida em que sois co – participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando." (I Pe 4.13).

     Estas provações são normais. Elas podem não ser a experiência americana, mas é uma verdade bíblica.
     O principal objetivo do apóstolo Pedro para os cristãos como "peregrinos e forasteiros" na terra, não é que ponhamos a nossa esperança nos direitos de proteção própria da segunda emenda, mas na revelação de Jesus Cristo em glória.

    "para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo." ( I Pe 1.7 ).

    "Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo." ( I Pe 1.13 ).

    "pelo contrário, alegrai – vos na medida em que sois co – participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando." ( I Pe 4.13 ).

    "Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co – participante da glória que há de ser revelada." ( I Pe 5.1 ).

     O objetivo do apóstolo Pedro é que nós soframos de maneira digna e mostrar que o nosso tesouro está no céu e nãos nos direitos de proteção própria.


3] Jesus prometeu que a hostilidade violenta virá; e todo o teor de Seu conselho é sobre como suportar isto com o sofrimento e o testemunho, não com defesa armada.
    
    "Antes, porém, de todas estas coisas, lançarão mão de vós e vos perseguirão, entregando – vos às sinagogas e aos cárceres, levando – vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome; e isto vos acontecerá para que deis testemunho.
     Assentai, pois, em vosso coração de não vos preocupardes com o que haveis de responder; porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir, nem contradizer todos quantos se vos opuserem.
     E sereis entregues até por vossos pais, irmãos, parentes e amigos; e matarão alguns dentre vós. De todos sereis odiados por causa do meu nome. Contudo, não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça. É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma." ( Lc 21.12 – 19 ).

    "Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo." ( Mt 10.28 ).

    "Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.
     E acautelai – vos dos homens; porque vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas; por minha causa sereis levados à presença de governadores e de reis, para lhes servir de testemunho, a eles e aos gentios.
     E, quando vos entregarem, não cuideis em como ou o que haveis de falar, porque, naquela hora, vos será concedido o que haveis de dizer, visto que não sois vós os que falais, mas o Espírito de vosso Pai é quem fala em vós.
     Um irmão entregará à morte outro irmão, e o pai, ao filho; filhos haverá que se levantarão contra os progenitores e os matarão. Sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo."  ( Mt 10.16 – 22 ).

     Para que serve o momento da vida mais perigoso e amedrontador? É para mostrar o quão poderosos e precavidos nós temos sido? É para mostrar a nossa astúcia – que nós temos uma arma em nosso bolso e podemos mostrar alguma coisa a você? Esta é uma resposta aprendida de Jason Bourne, e não de Jesus e da Bíblia.
     Esta resposta apela para tudo o que é terreno em nós, e não requer nenhum milagre do novo nascimento. É tão comum e tão fácil como comer da árvore do conhecimento do bem e do mal.
     Jesus disse que o momento da vida mais perigoso e amedrontador será uma oportunidade para dar testemunho:"... e isto vos acontecerá para que deis testemunho." ( Lc 21.13 ).
     Será um momento para passos intrépidos rumo ao céu:"Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo."( Mt 10.28 ).
     Um momento para perseverar até o fim e ser salvo:"Sereis odiados de todos por causa do meu nome; aquele, porém, que perseverar até ao fim, esse será salvo."     ( Mt 10.22 ).
     Se ensinarmos aos nossos estudantes que eles deveriam carregar armas, e então os desafiarmos,"Vamos ensinar a eles uma lição se eles aparecerem aqui..", você realmente acredita que quando a oportunidade de largar as armas vier, eles vão fazer  o que Jim Elliot e seus amigos fizeram no Equador, e recusar a disparar as suas pistolas contra os seus assassinos, enquanto lanças mergulharem através de seus peitos. [1].

4] Jesus preparou o palco para uma vida de peregrinação neste mundo aonde nós carregamos o testemunho que este mundo não é o nosso lar, e não é o nosso reino, renunciando o estabelecimento e o avanço da nossa causa cristã com a espada.
    
     Jesus respondeu:"Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui."( Jo 18.36 ).

     Jesus disse para Pedro,"Então, Jesus lhe disse: Embainha a tua espada; pois todos os que lançam mão da espada à espada perecerão."( Mt 26.52 ).

     Para ter certeza, existem muitas ambiguidades sobre ser exilado nesta terra com a nossa cidadania no céu ( Filipenses 3.20 ), enquanto, ao mesmo tempo sendo chamado para servir nas estruturas da sociedade ( I Pedro 2.13 ).
    "Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo." ( Fp 3.20 ).
    "Sujeitai – vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano." ( I Pe 2.13 ).
     Mas nenhum livro da Bíblia luta com isto mais diretamente do que I Pedro, e a esmagadora verdade deste livro é esta: À medida em que você sofre pacientemente e até mesmo alegremente pela sua fé, você faz tanto bem que as pessoas vão perguntar a razão da esperança que está em você:
    "antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós." ( I Pe 3.15 ).
     Eu creio que posso dizer com completa confiança que a identificação da segurança cristã com armas ocultas não vão causar ninguém a perguntar a nós a razão da esperança que está em nós. Elas vão saber perfeitamente bem aonde é que a nossa esperança está. Está no nosso bolso.

5] Jesus enfatiza o conceito de que a maneira dominante ( não a única ) maneira de os cristãos mostrarem o supremo valor de seu tesouro no céu é sendo tão livre do amor deste mundo e tão satisfeito com a esperança da glória que nós somos capazes de amar os nossos inimigos e não pagar o mal com o mal, mesmo se esperarmos ser prejudicados neste mundo.

    "Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta – lhe também a outra." ( Mt 5.38 – 39 ).

    "Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos." ( Mt 5.44 – 45 ).

    "Bem – aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai – vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós." ( Mt 5.11 – 12 ).
     O ponto de Mateus 5.11 – 12 é que os cristãos são livres para se regozijarem na perseguição por que os nossos corações tem sido tão transformados que nos estamos mais satisfeitos na esperança do céu do que na esperança da defesa própria.
     Esta é a base de dar a outra face e amar o inimigo.
     O amor misericordioso do Senhor é melhor do que a vida:"Porque a tua graça é melhor do que a vida; os meus lábios te louvam." ( Sl 63.3 ).
     Ou, como o apóstolo Paulo coloca,"Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda,  por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo."     ( Fp 3.7 – 8 ).
     Jesus enfatizou o conceito de que a maneira de Seus discípulos demonstrarem mais fortemente o valor supremo do conhecimento de Cristo é através de deixar ir os bens, a parentela e também esta vida mortal, e chamar isto de lucro:"Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro."( Fp 1.21 ).

6] A Igreja Primitiva, como nós vemos em Atos dos Apóstolos, esperava e suportava a perseguição sem resistência armada, mas sim com um sofrimento alegre, oração e a palavra de Deus.

    "agora, Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que anunciem com toda a intrepidez a tua palavra, enquanto estendes a mão para fazer curas, sinais e prodígios por intermédio do nome do teu santo Servo Jesus.
     Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus." ( At 4.29 – 31 ).

    "Chamando os apóstolos, açoitaram – nos e, ordenando – lhes que não falassem em o nome de Jesus, os soltaram. E eles se retiraram do Sinédrio regozijando – se por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome."     ( At 5.40 – 41 ).

    "E Saulo consentia na sua morte. Naquele dia, levantou – se grande perseguição contra a igreja em Jerusalém; e todos, exceto os apóstolos, foram dispersos pelas regiões da Judéia e Samaria.
     Alguns homens piedosos sepultaram Estêvão e fizeram grande pranto sobre ele. Saulo, porém, assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava – os no cárcere."( At 8.1 – 3 ).
[ veja Atos 9.1 – 2; Atos 12.1 – 5 ].
     Em todos os perigos que o apóstolo enfrentou no livro de Atos, não há sequer um indício de que ele jamais tenha planejado carregar ou usar uma arma para defesa própria contra seus adversários.
     Ele estava disposto a apelar para as autoridades em Filipos ( At 16.37 ) e Jerusalém ( Atos 22.25 ). Mas ele nunca usou uma arma para defender a si mesmo contra os perseguidores.

7] Quando Jesus disse aos apóstolos para comprarem uma espada, Jesus não estava dizendo aos apóstolos para usarem a espada para escapar daquilo que Ele disse que os apóstolos deveriam enfrentar até à morte.

    "A seguir, Jesus lhes perguntou: Quando vos mandei sem bolsa, sem alforje e sem sandálias, faltou – vos, porventura, alguma coisa? Nada, disseram eles.
     Então, lhes disse: Agora, porém, quem tem bolsa, tome – a, como também o alforje; e o que não tem espada, venda a sua capa e compre uma. Pois vos digo que importa que se cumpra em mim o que está escrito: Ele foi contado com os malfeitores.
     Porque o que a mim se refere está sendo cumprido.
     Então, lhe disseram: Senhor, eis aqui duas espadas! Respondeu – lhes: Basta!"   ( Lc 22.35 – 38 ).
     Eu não acredito que Jesus quis dizer no versículo 36 que os Seus discípulos, de agora em diante, deveriam ser um bando armado de pregadores prontos para usar a violência para defenderem a si mesmo da perseguição.
     Jerry Falwell Jr. disse em seu discurso esclarecedor no dia 9 de dezembro,
    "Confunde a minha mente que alguém seria contra o que Jesus disse aos Seus discípulos em Lucas 22.36. Ele lhes disse que se eles tivessem que vender a capa para comprar uma espada, os discípulos deveriam fazer isto por que Ele sabia que o perigo estava vindo, e Ele queria que os discípulos se defendessem.".
     Se esta é a interpretação correta deste texto, a minha questão é,"Por que nenhum dos discípulos no Novo Testamento jamais fez isto – ou ordenou  – ou ordenou isto?".
     A resposta provável é que Jesus não tinha a intenção de que os discípulos pensassem em termos de defesa armada para o resto dos seus ministérios.
     As palavras abruptas de Jesus no fim do parágrafo, quando os discípulos apresentaram duas espadas, não foram,"Bem, vocês precisam de mais nove espadas.". Jesus disse,"É suficiente!", ou"Isto é muito!".
     Isto pode muito bem significar que os discípulos tinham dado um significado literal errado à intenção figurativa.
     Darrell Bock conclui,
    "Dois eventos são comentados neste versículo [ versículo 36 ]: A repreensão de Jesus ao uso da espada contra o servo do sumo – sacerdote ( Lc 22.49 – 51 ) e a resposta não violenta da Igreja à perseguição no livro de Atos ( At 4.25 – 31; At 8.1 – 3; At 9.1 – 2; At 12.1 – 5 ).
     Na verdade, At 4.25 – 31 mostra a Igreja armada somente com oração e com fé em Deus.
     Lucas 22.36 vê a espada somente com um símbolo da preparação para a pressão, desde que a repreensão de Jesus da interpretação literal ( Lucas 22.38 ) mostra que a implicação é simbólica."( Fitzmyer 1985: 1432; Marshal 1978: 825 ).
    "Isto aponta para a prontidão e a auto – suficiência, não para a vingança."( Nollando 1993b: 1076 ). ( Lucas, Volume II, página 1747 ).
     O que parece claro para mim é que a incerteza deste texto ( que eu compartilho ) não deveria ser utilizada para silenciar os outros que eu tenho citado.

8] O Instinto Natural é resumir este assunto à seguinte questão,"Eu posso atirar no agressor da minha esposa?".

     A minha resposta é composta de sete partes.

1] O instinto é compreensível. Mas me parece que o Novo Testamento resiste à este tipo de redução ética, e não satisfaz a nossa demanda por um sim ou por um não nesta questão.
     Nós não gostamos deste tipo de ambiguidade, mas eu não posso escapar disto. Existe, como eu tenho tentado mostrar, um impulso generalizado no Novo Testamento nos movendo na direção de abençoar e de fazer o bem àqueles que nos odeiam, nos amaldiçoam e se aproveitam de nós:
    "Digo – vos, porém, a vós outros que me ouvis: amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam; bendizei aos que vos maldizem, orai pelos que vos caluniam."( Lc 6.27 – 28 ).
     E não existe nenhuma ligação direta com a situação de usar força letal para salvar família e amigos, exceto no que diz respeito à polícia e ao exército.
     Isto é notável quando você pensa sobre isto, desde que eu não posso deixar de pensar nesta precisa situação que se apresenta, desde que nós lemos que Saulo levou homens e mulheres presos para Jerusalém ( At 9.1 – 2 ).

2] O nosso principal objetivo na vida é mostrar que Cristo é mais precioso que a vida.
     Então, quando apresentado à esta ameaça à minha esposa ou à minha filha ou ao meu amigo, o meu coração deveria se inclinar na direção de fazer o bem de uma forma a alcançar o objetivo de mostrar que Cristo é mais precioso que a própria vida.
     Existem centenas de variáveis em todas as crises que poderiam afetar como isto acontece.

3] Jesus morreu para guardar este assaltante de pecar contra a minha família.
     É isto, a estratégia pessoal de Jesus derrotar os crimes era derrotar as inclinações pecaminosas dando a Sua vida para pagar a nossa dívida e transformando os nossos corações.
     Não é uma coisa insignificante que o apóstolo Pedro, baseado no sofrimento não retaliado do tratamento injusto da obra expiatória de Cristo, como exemplo a ser seguido:
   "Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo        sofreu em vosso lugar, deixando – vos exemplo para seguirdes os seus passos."  ( I Pe 2.21 ).

4] Eu percebi que mesmo chamar a polícia quando ameaçado – o que, em geral, parece a coisa certa a se fazer do ponto de vista de Romanos 13.1 – 4 – pode vir de um coração que está fora de sintonia com a mente de Cristo.
     Se um coração é controlado principalmente por medo, ou raiva, ou vingança, qual disposição pecaminosa pode ser expressa usando a polícia bem como tomar pegar em armas.

5] Eu vivo no interior da cidade de Mineápolis, e pessoalmente eu aconselharia os cristãos a não terem armas de fogo disponíveis para tais circunstâncias.

6] Eu não sei o que eu faria diante desta situação apresentada com todas as inumeráveis variantes de fatores. E eu seria muito lento para condenar a pessoa que pensa diferentemente de mim.

7] De volta ao primeiro ponto, me parece que o Novo Testamento não tem a intenção de tornar isto claro para nós.
     A intenção do Novo Testamento é transformar radicalmente os corações que vivem com o seu tesouro em outro mundo, que anseiam mostrar que é mais satisfeito em Jesus do que em qualquer outra coisa desta vida, que confia na ajuda de Deus em toda e qualquer situação e que deseja a salvação dos inimigos.

9] Mesmo que o Senhor nos ordene usar recursos ordinários de providência para a vida ( trabalhar para ganhar dinheiro; plantar para colher; se alimentar, dormir e beber e tomar remédios; economizar para necessidades futuras; e a força policial e militar para a sociedade providenciada pelo governo ), no entanto, o único chamado da Igreja é para viver em tamanha dependência da proteção celeste e da recompensa celeste que o mundo vai perguntar sobre a nossa esperança ( I Pedro 3.15 ), e não sobre a ingenuidade de nossa defesa armada.

    "Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações." ( Sl 46.1 ).

    "E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades." ( Fp 4.19 ).

    "De todos sereis odiados por causa do meu nome. Contudo, não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça." ( Lc 21.17 – 18 ).

     Uma vez mais me permita dizer que Deus ordena o uso da espada pelo Estado na defesa da justiça.
    "Sujeitai – vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano, quer às autoridades, como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores como para louvor dos que praticam o bem.
     Porque assim é a vontade de Deus, que, pela prática do bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos; como livres que sois, não usando, todavia, a liberdade por pretexto da malícia, mas vivendo como servos de Deus.
     Tratai todos com honra, amai os irmãos, temei a Deus, honrai o rei."       ( I Pe 2.13 – 17 ).

    "Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas.
     De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação.
     Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem.
     Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal."          ( Rm 13.1 – 4 ).
     Portanto, este artigo não é um documento sobre a posição da política governamental com relação ao ISIS [2]. Também não é sobre a política de como a polícia deveria ser recrutada para proteger instituições privadas.
     Este artigo é sobre as pessoas a quem a Bíblia chama"peregrinos e forasteiros"na Terra; os chamados cristãos.
     Este artigo é sobre o fato de que as nossas armas não são materiais, mas sim espirituais:"Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas."( II Co 10.4 ).
     Este artigo é um argumento que o foco e o destaque esmagadores do Novo Testamento é que os cristãos são enviados ao mundo ( religioso e não – religioso ) como cordeiros no meio de lobos:"Ide! Eis que eu vos envio como cordeiros para o meio de lobos."( Lc 10.3 ). E isto exortando os cordeiros a carregarem armas ocultas para com as quais atirar nos lobos não no avanço da contra – cultura, do    auto – sacrifício, e da salvação da alma na causa de Cristo.


Nota do Tradutor
[1]. A história de Jim Elliot certamente é uma das histórias missionárias mais empolgantes e inspiradoras.
     Jim Elliot nasceu em 8 de Outubro de 1927 na cidade de Portland, no estado americano de Oregon; e pertencente à uma família cristã dedicada ao Senhor, desde a infância fora instruído nos caminhos de Deus, vindo a receber a Cristo como salvador aos 8 anos de idade.
     Fred, um pastor batista, e Clara Elliot, seus pais, eram bastante cuidadosos quanto à instrução bíblica de seus filhos e exerceram forte influência na formação de suas vidas.
Jim revelou – se um jovem bastante talentoso, destacando – se em todas as atividades que se envolvia. Era líder de sua classe, e detentor de uma brilhante oratória.
     Convicto de sua vocação e de seu chamado, Jim priorizou seus estudos com o intuito de alcançar a melhor preparação possível para o exercício do ministério. Empenhou – se no estudo do grego, já visando uma possível tradução do Evangelho para alguma língua nativa.
     Segundo o registro de seu diário, sua vida tinha sido profundamente impactada pelos testemunhos de missionários como David Brainerd e Hudson Taylor.
     Jim Elliot orava constantemente: "Consuma minha vida, Senhor. Eu não quero uma vida longa, mas sim cheio de Ti, Senhor Jesus. Satura – me com o óleo do teu Espírito…”.
     Durante seus estudos conheceu Elizabeth Howard, que também tinha um chamado para missões transculturais. Apesar dos sentimentos um pelo outro, aguardaram em oração a confirmação de Deus; e somente após a graduação se casaram. Jim e Elizabeth se casaram em 1953, na cidade de Quito, Equador, e em 1955, nasceu sua filha Valerie.
     Jim recusou convites para pastorear algumas igrejas. Para alguns líderes, Jim tinha um futuro bastante promissor no ministério pastoral nas igrejas do EUA; e justamente por esta razão fora duramente criticado quando insistiu na decisão de levar o Evangelho aos índios na Amazônia.
     Jim convenceu dois de seus amigos, Ed mcCully e Peter Fleming, que trabalhavam com ele em uma rádio de difusão do Evangelho a participarem da escola linguística, juntamente com ele e Elisabeth. Mais tarde , os três amigos e suas esposas, ( Jim e Elisabeth casaram – se no Equador ), partem para o Equador para trabalharem com os índios Quechua. No Equador, um piloto missionário, Nate Saint, e sua esposa juntam – se ao grupo. Conseguiram estabelecer uma estação da missão entre os índios Quechua.
     Jim e Elizabeth trabalharam na tradução do Novo Testamento para a língua dos Quechuas. Nesse tempo Jim se lembrou dos índios Aucas que tinham a fama de serem muito violentos e que não possuíam nenhum contato com o mundo exterior; e com o propósito de levar o Evangelho aos índios Huaoranis, o grupo começou a elaborar um plano que ficou conhecido como Operação Auca.
     Roger Youderian, um novo missionário, com sua esposa pediram para se juntar ao grupo. Nate Saint, conseguiu avistar alguns índios Aucas sobrevoando algumas áreas que foram demarcadas no mapa da operação.
     A partir de então começaram sistematicamente sobrevoar as áreas dos Huaoranis durante quatro meses levando presentes. Amarrado por uma corda, um balde cheio de roupas, bugigangas, cereais e fotografias dos missionários era levados pelo avião que em voos baixos deixava cair os presentes... e em resposta, os índios Aucas chegaram a colocar no balde um papagaio e alguns enfeites de suas vestimentas.
     Diante do progresso alcançado, os cinco jovens missionários resolvem montar um acampamento às margens do rio Curray.
     Pouco tempo depois, um grupo de quatro índios visitaram os missionários em seu acampamento. Os missionários deram – lhes presentes e alimentos como um sinal de paz... Outros contatos foram feitos por mais algumas vezes e um daqueles índios chegou a voar com Nate Saint em seu avião, sobrevoando sua própria aldeia.
     Incentivados por uma visita no dia 7 de Janeiro, os missionários decidiram ir até a aldeia dos Huaoranis. Acordaram cedo e louvaram ao Senhor na manhã de 8 de Janeiro. Nate e Jim sobrevoando a área da aldeia dos Aucas avistaram um grupo de 20 a 30 índios se movendo em direção ao acampamento.
     Através do rádio comunicaram com suas esposas e decidiram ás 16:30 horas entrarem em contato novamente.
     Ao chegarem à praia de seu próprio acampamento, Nate e Jim avisaram aos outros que os Aucas estavam vindo. Munidos de armas decidiram não utilizá – las...
     Pouco tempo depois chegaram os Aucas e muito pouco ou quase nada, estes cinco jovens puderam fazer. Foram mortos pelos Aucas naquele dia de 8 de Janeiro de 1956.
     Seus corpos foram encontrados brutalmente perfurados por lanças e machados. O relógio de Nate Saint foi encontrado parado em 15horas e 12 minutos, do que se deduz a hora em que foram mortos.
     As esposas desses missionários, apesar da grande dor que sofreram, decidiram continuar com a missão, e algum tempo depois foram sucedidas na evangelização dos Aucas.
     A tribo foi evangelizada e alguns anos mais tarde, o assassino de Jim Elliot, agora convertido ao Senhor Jesus e líder da igreja na aldeia batizou a filha de Jim e Elizabeth no rio onde seu pai tinha sido morto.
     A vida e o testemunho desses cinco missionários martirizados por amor ao evangelho têm inspirado até hoje centenas de jovens a dedicar suas vidas ao Senhor da seara.
     Jim Elliot procurou servir a Jesus com todas as suas forças e a maior parte de sua vida e de seu ministério é contado por sua esposa Elizabeth em dois livros publicados posteriormente.
     Sua célebre frase, encontrada em seu diário nos inspira a entregar sem reservas a nossas vidas nas mãos do Mestre:"Aquele que dá o que não pode manter, para ganhar o que não pode perder, não é um tolo !”.
     Hoje, Steve Saint, filho de Nate Saint ( que também estava entre os cinco missionários ), é missionário junto com um dos índios que matou seu pai, e vive no Equador.
     Todos sabiam que os Huaoranis ( Aucas ) eram selvagens e matavam. Steve sabia que o seu pai levava um revolver e uma espingarda. Antes de Nate ser morto pelos índios, na despedida deles, Steve perguntou ao pai:
    "Pai, se os índios atacarem você, você vai se defender? Vai usar as armas?".
     Nate respondeu da seguinte forma:
    "Filho, não podemos atirar nos Huaoranis porque eles não estão prontos para ir ao Céu, nós sim estamos.”.
     Os antropólogos afirmam que hoje diminuiu em 90% o índice de mortes, por homicídio, nas tribos dos índios Huaoranis. Esta é a diferença que Jesus faz na vida das pessoas.

[2]. ISIS é a sigla em inglês para designar o Estado Islâmico do Iraque e da Síria.

2 comentários :

  1. Mesmo sendo cristão eu sempre desejei ter uma arma, mas sempre tive dúvidas sobre se é lícito ou não o cristão ter posse de arma...
    Exegese impecável do John Piper para esclarecer sobre o assunto. Soli Deo Gloria.

    ResponderExcluir
  2. Na verdade quando se comenta a respeito de Lucas 22:35-38 fica um pouco estranho dizer que o porte da espada não seja literal, pois no mesmo contexto e texto Cristo diz aos discípulos para comprarem bolsa, sandália e trocar a capa pela espada, por que só nessa micro parte seria símbolo e todo o resto... bolsa, sandália, capa não? Entende, fica estranho, e acredito que "o basta" seja de suficiente no sentido de é isso mesmo tá bom! já deu! Não de repreensão o que não entendo é que mais na frente relatado em mateus Cristo diz que quem lança mão da espada a espada deve morrer, porque acaba aparecendo um pouco contraditório com o que ele tinha terminado de falar! O problema é que eu só encontro duas vertentes na internet e não me convenço totalmente por nenhuma delas! Ou que... Não de forma alguma o cristão deve usar arma ou que sim pode viva o desarmamento! O negócio é que existe a força militar e policial, aí vc me diz será que um cristão não pode ser nenhum dos dois, pois quem mata a espada deve morrer tbm a espada!? Ou será que quando Cristo disse isso ele estava se referindo a um uso incorreto do instrumento em um momento inadequado ou que não caberia? É complicado de entender! E eu sei que na verdade o Cristianismo é uma religião de paz, mas Cristo mesmo em alguns momentos agiu de forma bruta como no caso dos cambistas e vendedores que ficavam na porta do templo... Sabe é difícil, sei que a religião é de paz, mas a impressão que tenho é que tudo tem um limite, sei lá! Se pudesse me esclarecer melhor... meu email é cristianenogue809@gmail.com

    ResponderExcluir

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria