CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

O NASCIMENTO DO SALVADOR! - Por John Piper


O Nascimento do Salvador! 

john piper natal

Glória a Deus e Paz aos Homens (Lc 2:1-20)


por John Piper  
Tradução: Thiago Mancini  

   “Naqueles dias, foi publicado um decreto de César Augusto, convocando toda a população do império para recensear – se. Este, o primeiro recenseamento, foi feito quando Quirino era governador da Síria.
     Todos iam alistar – se, cada um à sua própria cidade.
     José também subiu da Galiléia, da cidade de Nazaré, para a Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e família de Davi, a fim de alistar – se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
     Estando eles ali, aconteceu completarem – se – lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou – o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.
     Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite. E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor.
     O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa – nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura.
     E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.
     E, ausentando – se deles os anjos para o céu, diziam os pastores uns aos outros: Vamos até Belém e vejamos os acontecimentos que o Senhor nos deu a conhecer.
     Foram apressadamente e acharam Maria e José e a criança deitada na manjedoura. E, vendo – o, divulgaram o que lhes tinha sido dito a respeito deste menino.
     Todos os que ouviram se admiraram das coisas referidas pelos pastores. Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando – as no coração.
     Voltaram, então, os pastores glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes fora anunciado. ” (Lc 2.1 – 20).



O Nascimento Do Salvador Foi Em Um Dia Real

     é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lc 2.11).

     O nascimento do Salvador aconteceu em um dia. Aconteceu em um dia na História. Não aconteceu em algum dia em alguma história imaginária e mitológica; mas aconteceu nos dias quando Cesar Augustus era o Imperador de Roma e quando Quirino era o Governador da Síria.

     “Naqueles dias, foi publicado um decreto de César Augusto, convocando toda a população do império para recensear–se. Este, o primeiro recenseamento, foi feito quando Quirino era governador da Síria.” (Lc 2.1–2).

     O dia do nascimento do Salvador foi um dia planejado na Eternidade antes da criação do Mundo. Na verdade, todo o Universo [com incontáveis anos–luz de espaço e bilhões de galáxias], foi criado e feito para este glorioso dia [o dia do nascimento do Salvador] e para o que este dia significa para a história humana.

     “pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele.” (Cl 1.16).

     Para Ele! Para o Seu aparecimento. Para o dia do Seu aparecimento.
     “vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei.” (Gl 4.4).

     O nascimento do Salvador aconteceu em um dia. Aconteceu no dia perfeito. Aconteceu na plenitude dos tempos. O tempo perfeito aponta para Deus desde antes da fundação do Mundo:

     é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lc 2.11).

O Nascimento Do Salvador Foi Em Uma Cidade Real

     “é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.”  (Lc 2.11).

     O nascimento do Salvador aconteceu em uma cidade. Não aconteceu em Nárnia [1]. Não aconteceu no Middle Earth [2]. Não aconteceu em uma galáxia muito distante. Aconteceu em uma cidade à aproximadamente 7000 milhas da cidade de Mineápolis [3]. E a cidade ainda existe nos dias de hoje. A minha mãe foi morta em um acidente de ônibus do lado de fora desta cidade. Esta cidade é real. O nome da cidade é Belém:

     José também subiu da Galiléia, da cidade de Nazaré, para a Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e família de Davi, a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
     Estando eles ali, aconteceu completarem–se–lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou–o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.” (Lc 2.4–7).

     A cidade de Belém fica a cerca de 6 milhas da cidade de Jerusalém. Belém, a cidade aonde Jessé viveu, o pai de Davi, o grande rei de Israel.
     Belém, a cidade à respeito da qual profetizou o profeta Miquéias:

     “E tu, Belém–Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.” (Mq 5.2).

     O nascimento do Salvador aconteceu em uma cidade. Aconteceu em uma cidade real, tão real como a cidade de Mineápolis, ou como a cidade de Burnsville [4] ou como a cidade de Mounds View [5].

O Salvador, O Messias, O Senhor

     “... o Salvador...”

     “Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite.
     E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor.
     O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa–nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lc 2.8–11).

     O Salvador. Se você já pecou contra Deus então você precisa de um Salvador. O anjo disse a José, que José deveria colocar o nome no menino de Jesus, por que Jesus salvaria o seu povo dos pecados:

     “Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo.
     Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” (Mt 1.20  - 21).

     Somente Deus pode perdoar pecados contra Deus. E esta é a razão pela qual Deus enviou o Eterno Filho de Deus ao Mundo, porque Ele é Deus. E é por isto que o que Jesus disse que o Filho do Homem tem autoridade na Terra para perdoar pecados [ver Marcos 2.1–12]. Portanto, o Salvador nasceu.

     “… que é Cristo…”

     “Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite.
     E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor.
     O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa–nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lc 2.8–11).

     “Cristo” é a palavra portuguesa para “Christos”, cujo significado é  “o ungido”, que é o significado de “Messias”.

     “Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo).” (Jo 1.41).

     “Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas.” (Jo 4.25).

     Ele é o que tem sido prometido há muito tempo, que tem sido esperado há muito tempo e que fora ungido acima de todos os outros:

     “Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu
com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros.” (Sl 45.7).
     O rei final é ungido. O profeta final é ungido. O pastor final é ungido. E nEle, todas as promessas de Deus são sim:
     “Porque quantas são as promessas de Deus, tantas têm nele o sim; porquanto também por ele é o amém para glória de Deus, por nosso intermédio.”              (II Co 1.21).
     Ele iria cumprir todas as esperanças e sonhos da Israel piedosa. E mais, imensamente mais. Por que Ele é também…

     “… o Senhor…”

     “Havia, naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite.
     E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor.
     O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa–nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lc 2.8–11).

     O Senhor. O governante, o soberano, o Deus Forte, o Pai da Eternidade. O Senhor do Universo.

     “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz;
     para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do Senhor dos Exércitos fará isto.” (Is 9.6–7).

A Totalidade do Natal 

     O Senhor do interminável, do Universo, do governo soberano. O Senhor de todos os senhores.
     O nascimento do Salvador aconteceu em um dia – o nascimento do Salvador foi uma história real.
     O nascimento do Salvador aconteceu em uma cidade – o nascimento do Salvador aconteceu em um Mundo real.
     O Salvador – levou embora toda a nossa culpa.
     O Cristo – cumpriu todas as nossas esperanças.
     O Senhor – derrotou todos os nossos inimigos e nos mantém eternamente seguros e satisfeitos.

     Então, eu quero exultar juntamente com você neste Natal, por que nós temos um grande Salvador, nascido em um dia em uma cidade para nos salvar dos nossos pecados – dos nossos muitos pecados.

Dois Grandes Propósitos Para Esta Grande Notícia

     E quando o anjo anunciou esta notícia aos pastores [ver Lc 2.11], e lhes apontou que o bebê estava posto em um galpão junto com alguns animais , de repente, um exército de anjos apareceu no céu.

     “O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
     E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura.
     E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo:
     Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.” (Lc 2.10–14).

     Evidentemente, um anjo somente pode trazer as notícias, mas um anjo somente não é suficiente para responder à notícia.
          O significado desta notícia, o resultado último desta notícia – que demanda um exército de anjos para ser anunciada é o nascimento do Salvador:

     “E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.” (Lc 2.13–14).

     A alegre notícia de que em um dia, na perfeição da plenitude do tempo, na cidade perfeitamente profetizada, nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor – esta notícia tem dois grandes resultados e dois grandes propósitos: a glória a Deus nas alturas e a paz aos homens a quem Deus quer bem: 

“Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.” (Lc 2.14).


A Glória de Deus e A Nossa Paz

     A vinda desta criança seria a maior revelação da glória de Deus mesmo entre os altos céus, e a vinda desta criança traria a paz de Deus às pessoas – que um dia vai preencher toda a Terra com justiça e com paz.

     “para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do Senhor dos Exércitos fará isto.” (Is 9.7).

     Em primeiro lugar e mais importante, Deus é glorificado pelo nascimento desta criança. E em segundo lugar, a paz é espalhada por todos os lugares aonde esta criança é recebida.
     Estes são os grandes propósitos da vinda de Jesus: Glória sempre ascendente do homem para Deus e Paz sempre descendente de Deus para o homem.
     A Glória de Deus, cantando entre os homens, por amor ao nome de Deus; e a Paz de Deus, vivendo entre os homens, por amor ao nome de Deus.

     Dificilmente existe uma maneira melhor para resumir o que Deus estava pretendendo quando criou o Mundo, ou quando veio para recuperar o Mundo em Cristo Jesus – a Sua glória e a nossa paz.

 A Sua grandeza, e a nossa alegria. A Sua beleza, e o nosso prazer.

     O sentido da criação e da redenção é que Deus é glorificado ao ser conhecido e louvado para a Sua glória por uma nova humanidade cheia de paz.

Para Experimentar A Paz Que Deus Traz

     “Glória a Deus nas maiores alturas,
     e paz na terra entre os homens,
     a quem ele quer bem.” (Lc 2.14).

     A antiga versão da Bíblia King James traduz o versículo 14 da seguinte forma:

     “Glory to God in the highest, and on earth peace, good will toward men.”   (Lk 2.14).

     Praticamente todas as traduções modernas concordam que esta não era uma tradução acurada.
     A versão NIV (New International Version) diz assim:

     “Glory to God in the highest, and on earth peace to men on whom his favor rests.” (Lk 2.14).
     A versão NASB (New American Standard Bible) diz assim:

     “Glory to God in the highest, and on earth peace among men with whom He is pleased.” (Lk 2.14).

     A versão ESV (English Standard Version) diz assim:

     “Glory to God in the highest, and on earth peace among those with whom He is pleased.” (Lk 2.14).  [6].

     O ponto aqui é que, mesmo que a oferta de paz de Deus vai para todas as pessoas, apenas o Seu povo escolhido–as pessoas que recebem a Cristo e que confiam em Cristo como Salvador e como Messias e como Senhor, é que vão experimentar a paz que Deus traz.

     Você pode obter um vislumbre deste significado em Lucas 10.5–6, aonde Jesus diz para os discípulos como proceder na Missão Evangelística:

     “Ao entrardes numa casa, dizei antes de tudo: Paz seja nesta casa!
     Se houver ali um filho da paz, repousará sobre ele a vossa paz; se não houver, ela voltará sobre vós.” (Lc 10.5–6).

     A paz de Deus em Cristo é oferecida ao Mundo. Mas somente os “filhos da paz” é que recebem a paz.
     Agora, como é que você faz para saber se você é um “filho da paz”? Como é que você pode saber se você é parte desta promessa dos anjos, “Paz na terra aos homens a quem Deus quer bem!”?
    
 A resposta é: você recebe o Pacificador, você recebe Jesus.

Os Três Relacionamentos de Paz

     O meu grande desejo para você neste Natal é que você desfrute desta paz.
     Nós sabemos que existem aspectos globais para que esta paz que se encontra no futuro quando toda a Terra estiver cheia do conhecimento da glória do Senhor assim como a Terra cobre o Mar:

     “Pois a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar.” (Hb 2.14).

     Quando, como o profeta Isaías diz,  para que aumente o governo de Deus e que a paz não tenha fim:

     “para que se aumente o seu governo, e venha paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, para o estabelecer e o firmar mediante o juízo e a justiça, desde agora e para sempre. O zelo do Senhor dos Exércitos fará isto.” (Is 9.7).

     Mas Jesus vem para inaugurar esta paz de Deus entre as pessoas. E existem três relacionamentos nos quais Deus quer que você persiga esta paz e desfrute desta paz. Paz com Deus. Paz com a sua própria alma. E paz com outras pessoas, tanto quanto isto está em você.

     E por paz, eu quero dizer não somente a ausência de conflito e de animosidade, mas também a presença de uma alegria tranquilizadora, e tantas riquezas de comunicação interpessoal quanto você é capaz.

     Então, vamos olhar para cada um destes três pacíficos relacionamentos brevemente e nos certificarmos de estamos desfrutando desta paz o tanto quanto podemos.
     A chave para cada uma delas não é separar o que os anjos mantiveram junto: a glória de Deus e a paz pela qual nós tanto almejamos.

     “Glória a Deus nas maiores alturas,
     e paz na terra entre os homens,
     a quem ele quer bem.” (Lc 2.14).

O Objetivo Principal da Paz

     O propósito de Deus é dar paz a você sendo a Pessoa mais glorificada na sua vida.

     Por 5 vezes no Novo Testamento, o Senhor é chamado de “o Deus da paz”.

     “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.” (Rm 15.13).

     “E o Deus da paz, em breve, esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás. A graça de nosso Senhor Jesus seja convosco.” (Rm 16.20).

     “O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus da paz será convosco.” (Fp 4.9).

     “O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” (I Ts 5.23).
     “Ora, o Deus da paz, que tornou a trazer dentre os mortos a Jesus, nosso Senhor, o grande Pastor das ovelhas, pelo sangue da eterna aliança.” (Hb 13.20).

     E Jesus disse que daria a Sua paz aos discípulos:
     “Deixo–vos a paz, a minha paz vos dou; não vo–la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” (Jo 14.27).

     E o apóstolo Paulo disse que o próprio Jesus é a nossa paz:

     “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade.” (Ef 2.14).

     O que isto significa é que a paz de Deus, ou a paz de Cristo, nunca pode ser separada do próprio Deus e do próprio Cristo. Se nós quisermos que a paz governe em nossas vidas, então Deus precisa reinar em nossas vidas e Deus precisa reinar em nossas vidas.

     O propósito de Deus não é te dar a paz separado de Si mesmo. O propósito de Deus é dar a paz a você sendo o próprio Deus a pessoa mais glorificada na sua vida.

     Então, a chave para a paz é manter junto aquilo que os anjos mantiveram junto: Glória a Deus e paz aos homens. 
Um coração inclinado em mostrar a glória de Deus vai conhecer a paz de Deus.
     E o que é que mantém os dois juntos – Deus recebendo glória e nós recebendo paz – acreditando ou confiando nas promessas de Deus obtidas por Jesus.

     Romanos 15.13 é um destes textos fundamentais que apontam para o papel crucial da fé.

     “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo.” (Rm 15.13).

    “E o Deus da esperança vos encha de todo gozo e paz no vosso crer...” (Rm 15.13).

     Em outras palavras, a forma das promessas de Deus se tornarem reais para nós e produzirem paz em nós e através de nós é “no vosso crer...”

     Isto é verdade quer nós estejamos falando sobre paz com Deus, quer estejamos falando sobre paz com nós mesmo e quer estejamos falando sobre paz com outras pessoas.

Paz com Deus

     A necessidade mais básica que nós temos é a necessidade de paz com Deus. Isto é fundamental para todos os nossos propósitos de busca pela paz. E se nós não tivermos a paz com Deus em primeiro lugar, todas as outras experiências de paz vão ser superficiais e temporárias.

     A passagem chave aqui é Romanos 5.1.
     “Justificados, pois, mediante a fé [o ato central de crer], temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.” (Rm 5.1).

     Ser justificado significa que Deus declara você justo aos Seus próprios olhos imputando a você a justiça de Cristo. E Deus declara você justo aos Seus próprios olhos imputando a você a justiça de Cristo pela fé e pela fé somente:

     Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.” (Rm 5.1).

     A justificação, que traz a paz com Deus, não é por obras, não é por tradição, não é pelo batismo, não é por se tornar membro de uma Igreja, não é por piedade, não é por ser filho de pais cristãos. É pela fé, e é pela fé somente.

     Quando cremos em Jesus como Senhor e Salvador e como o supremo Tesouro das nossas vidas, nós estamos unidos com Cristo e a justiça de Cristo é contada por Deus como sendo nossa.
     Nós somos justificados pela fé.

     E o resultado da justificação pela fé é a paz com Deus. A ira de Deus contra nós por causa dos nossos pecados é esquecida. A nossa rebelião contra Deus é superada. Deus nos adota em Sua própria família. E de agora em diante todos os tratos de Deus conosco são para o nosso próprio bem. Deus nunca vai estar contra nós. Deus é nosso Pai e nosso Amigo. Nós temos paz. Nós não Precisamos mais ter medo. E isto é fundamental para todas as outras pessoas.

Paz Com Nós Mesmos

     E por que nós temos paz com Deus por causa da justificação pela fé, nós podemos começar a crescer no desfrutar da paz com nós mesmos – e aqui eu incluo qualquer senso de culpa ou de ansiedade que tende a nos paralisar ou a nos deixar sem esperança. E aqui novamente acreditando nas promessas de Deus com a visão chave e fundamental de que Deus seja glorificado nas nossas vidas.

     Filipenses 4.6–7 é uma das passagens bíblicas mais preciosas no que se refere ao assunto da paz.

     “Não andeis ansiosos de coisa alguma [o oposto de ansiedade é paz]; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus [em outras palavras, lance as suas ansiedades sobre Deus], as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças.

     E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” (Fp 4.6–7).

     A figura aqui é que os nossos corações e as nossas mentes estão sob ataque. Culpa, medos, ameaças, confusões, incertezas – todas estas coisas são ameaças à nossa paz.

     E o apóstolo Paulo diz que Deus quer “guardar” os nossos corações e as nossas mentes. Deus guarda os nossos corações e as nossas mentes com a Sua paz. Deus guarda os nossos corações e as nossas mentes de uma maneira que está muito além do que o homem é capaz de compreender.
     Não limite a paz de Deus por aquilo que o seu entendimento pode ver. Deus nos dá uma paz inexplicável, uma paz que é supra-racional.
     E Deus nos dá esta paz quando levamos todas as nossas ansiedades ao Senhor em oração e em confiança nEle, de maneira que Ele vai levar todas as nossas ansiedades e vai nos proteger:

     “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” (I Pe 5.7).

     Quando nós fazemos isto, quando vamos a Deus–e lembramos de que já temos paz com Ele! – e confiamos nEle como nosso amoroso e Todo-Poderoso Pai celestial para nos ajudar, a Sua paz vem a nós e nos estabiliza, e nos protege dos efeitos incapacitantes do medo, da ansiedade e da culpa. E então, nós somos capazes de continuar e o nosso Deus recebe a glória por aquilo que nós fazemos, por que nós confiamos nEle.

     Faça isto neste Natal. Leve as suas ansiedades até Deus. 
Conte para Deus sobre as suas ansiedades. 
Peça a Deus para ajudar você. 
Peça a Deus para proteger você. 
Peça a Deus para restaurar a sua paz. 
E então, usar você como instrumento de paz.

Paz Com Os Outros

     O terceiro relacionamento aonde Deus quer que nós desfrutemos da Sua paz é em nossos relacionamentos com as outras pessoas. 
O relacionamento com outras pessoas é o relacionamento sobre o qual temos menos controle.

     Então, precisamos dizer isto com muito cuidado a forma como o apóstolo Paulo diz em Rm 12.18.

     “se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens.” (Rm 12.18).

     Para muitos de vocês, quando vocês se reúnem com as suas famílias para o Natal, vai haver algum relacionamento embaraçoso e doloroso. Algumas das dores podem inclusive ser bem antigas enquanto outras dores podem ser mais recentes. Em alguns relacionamentos você sabe exatamente o que é que você tem que fazer, não importa o quão difícil seja; enquanto que em alguns outros relacionamentos você é frustrado e simplesmente não sabe como fazer para trilhar o caminho da paz.
     Em ambos os casos a chave é a confiança nas promessas de Deus com a consciência sincera de como Deus lhe perdoou através de Cristo.

     Eu creio que o texto que liga todos estes elementos mais poderosamente para mim, novamente e novamente é Efésios 4.31–32.

     “Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia.
     Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando–vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.” (Ef 4.31–32).


     Cultive continuamente um senso de assombro que a despeito de todos os seus pecados, Deus tem te perdoado através de Cristo. Esteja admirado de que você tenha paz com Deus.
     É este sentimento de assombro, que eu, como pecador, tenho paz com Deus, que faz o meu coração tenro, amável e perdoador. Estenda isto para outras pessoas até setenta vezes sete vezes [conferir Mt 18.15–22].

     Isto pode ser jogado de volta em seu rosto. E isto certamente foi jogado de volta no rosto de Jesus enquanto Jesus estava na cruz. Isto dói e pode tornar você ressentido caso você não tome cuidado. Mas não permita isto. Se mantenha estando cada vez mais maravilhado de que os seus pecados são perdoado do que você tem sido injustiçado. Se mantenha cada vez mais maravilhado que você tem paz com Deus. Você tem paz com a sua alma. A sua culpa foi levada embora.

     Mantenha a sua confiança em Deus por que Deus sabe o está fazendo. Continue glorificando a Deus e não o seu próprio sucesso ou a sua eficácia em pacificação ou seus próprios relacionamentos, supremos tesouros da arca do seu coração.

     E então você vai estar como os anjos: Glória a Deus nas alturas é a primeira coisa; e Paz entre o povo de Deus é a segunda coisa.

     “Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.” (Lc 2.14).

     Esta é a razão pela qual Ele veio – em um dia, em uma cidade, como o Salvador, o Messias e Soberano. Este Deus receberia glória, e então você conheceria a paz.
     Que o Deus de paz lhe dê paz e receba a glória.


Fonte: www.desiringgod.org
Autor: John Piper
Tradutor: Thiago Mancini


Notas do Tradutor:
____________________________________________________________________________________
 [1]  Nárnia é um mundo fantástico criado pelo escritor  C. S. Lewis como local narrativo para As Crônicas de Nárnia, uma série de sete livros. O mundo é chamado assim em homenagem ao país de Nárnia, onde acontece a maior parte da história.
     Em Nárnia, alguns animais podem falar, as criaturas mitológicas são abundantes e a magia é comum. As pessoas, geralmente crianças, entram no mundo narniano provenientes do " nosso mundo ", a Terra.
[2] Middle Earth (Terra Média em português) é o nome dado para a terra antiga e fictícia de J. R. R. Tolkien, onde ocorrem a maioria dos contos do seu imaginário.
     Terra Média é a tradução literal do termo anglo-saxão “middangeard”,   referindo–se a este mundo, o reino dos humanos. Tolkien traduziu Terra Média como “Endor” (algumas vezes Endórë) e “Ennor” nas línguas élficas Quenya e Sindarin.
[3] Minneapolis (em português, Mineápolis) é a cidade mais populosa do estado   norte–americano do Minnesota, no Condado de Hennepin, do qual é sede.
[4] Burnsville é uma cidade localizada no estado norte–americano do Minessota, no Condado de Dakota.
[5] Mounds View é uma cidade localizada no estado americano de Minessota, no Condado de Ramsey.
[6] Vejamos algumas traduções de Lucas 2.14 de Bíblias na Língua Portuguesa:
     “Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.”        (Lc 2.14)–(Almeida Corrigida Fiel).
     “Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.” (Lc 2.14)–(Almeida Revista e Atualizada).
     “Glória a Deus nas maiores alturas, Paz a todos os homens e mulheres na terra que lhe agradam.” (Lc 2.14)–(A Mensagem).
     “Glória a Deus nos mais altos céus, e paz na terra às pessoas que recebem a sua graça!” (Lc 2.14)–(King James Atualizada).
     Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor.” (Lc 2.14)–(NVI).
     “Glória a Deus nas maiores alturas do céu! E paz na terra para as pessoas a quem ele quer bem.” (Lc 2.14)–(NTLH).
     “Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens!”        (Lc 2.14)–(Almeida Revista e Corrigida).
     “Glória a Deus nas maiores alturas, cantavam eles, e paz na terra para todos aquele que o agradam .” (Lc 2.14)–(Bíblia Viva).
     “Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens que ele ama!.”    (Lc 2.14)–(Bíblia de Jerusalém).

2 comentários :

  1. Glória a Deus, pelo nascimento do Salvador, que é Cristo, o Senhor, em um dia real e em uma cidade real, que glorifica a Deus e que traz paz ao homem com Deus, consigo mesmo e com o próximo.
    Que possam vir mais traduções de sermões bíblicos que exaltem a Cristo e que glorifiquem a Deus como estes...

    ResponderExcluir
  2. Ótimoo Texto. é realmente gratificante e formidável olhar para o nascimento de Cristo e entender suas implicações para nós. Ao Senhor seja dada toda Glória
    :D

    ResponderExcluir

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria