CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

JESUS E A VIAGEM PARA A FELICIDADE (PARTE 6)

JESUS E A VIAGEM PARA A FELICIDADE

Exposição em Filipenses 3.1–2

por John Piper 
Tradução: Thiago Mancini  
 
  
jonh piper jesus caminho


"Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor. 
Não me aborreço de escrever–vos as mesmas coisas, e é segurança para vós. 
Guardai–vos dos cães, guardai–vos dos maus obreiros, guardai–vos da circuncisão." (Fp 3.1–2).

Parte VI – A Alegria Morre na Tristeza?

     Eu quero destacar a grande verdade que a alegria cristã não morre quando as tristezas abundam. A alegria e a tristeza, na vida cristã não são sequenciais, mas são simultâneas.

     Os cristãos são chamados para se alegrarem sempre, ainda que o sofrimento venha como uma avalanche sobre suas vidas.

     Salmo 30.5 diz assim: 

"Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã."; o que é sequencial. Eu estou ciente disto.

     Eu não penso que isto seja uma contradição, embora haja uma espécie de alegria que seja livre de dor, livre de sofrimento e sem lágrimas. Deus faz isto o tempo todo para nós.

     Nós não estamos experimentando a dor por que aconteceu alguma coisa que fez a dor desaparecer pela manhã. Mas isto nem sempre acontece desta forma. Mesmo na noite anterior quando o choro é abundante, a alegria não foi embora. A alegria não morreu.

     Em Filipenses 3.1–2, o apóstolo Paulo ordena:

    "Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor.
     Não me aborreço de escrever–vos as mesmas coisas, e é segurança para vós.
     Guardai–vos dos cães, guardai–vos dos maus obreiros, guardai–vos da circuncisão."

     Aqui em Fp 3.1–2 o apóstolo Paulo não diz:

"Alegrai–vos, e então parem de se alegrar para lidarem com os conflitos."

     Não, o apóstolo Paulo manda que o cristão se alegre e que não pare de se alegrar para lidar com o sofrimento:

    "Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor.
     Não me aborreço de escrever–vos as mesmas coisas, e é segurança para vós.
     Guardai–vos dos cães, guardai–vos dos maus obreiros, guardai–vos da circuncisão." (Fp 3.1–2)
    
Ou seja, o cristão deve se alegrar e lidar com o sofrimento simultaneamente.

     Em Filipenses 3.18, o apóstolo Paulo descreve estas pessoas novamente:

    "Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo."

     O apóstolo Paulo está modelando o choro pelos cães e pelos maus obreiros inimigos da cruz de Cristo, e o apóstolo Paulo até mesmo nos ordena a nos alegrarmos no meio dos conflitos.
     Apenas alguns versículos mais tarde, no capítulo 4, o apóstolo Paulo diz (e repete, para que não se perca o ponto) para que o cristão se alegre e se alegre sempre no Senhor:

    "Regozijai–vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai–vos." (Fp 4.4)

     A repetição diz assim: 
"Sim, eu quero dizer sempre, por que eu já tenho modelado o meio para que vocês se alegrem e chorem ao mesmo tempo."

     E a chave para este tipo de alegria nas circunstâncias aonde nós somos propensos a murmurar ou a chorar é encontrada na soberania de Cristo e na doçura de Cristo.

Mesmo na Prova, Se Alegre!

          Talvez fosse útil se eu desse à você um par de outros exemplos da Bíblia para dar um suporte maior à esta experiência simultânea de tristeza e alegria – não sequencialmente, mas simultaneamente:

    "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos,
     Para uma herança incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar, guardada nos céus para vós,
     Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo,
     Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações." (I Pe 1.3–6)

     Não há nenhuma sequência aqui.

"Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações." (I Pe 1. 6) 

Esta é a natureza da vida cristã.

     A Segunda Carta do Apóstolo Paulo aos Coríntios, simplesmente diz que embora tristes, o cristão está sempre alegre: 

"Como contristados, mas sempre alegres." (II Co 6.10a)

     Ou seja, tristeza e alegria são eventos simultâneos para os seguidores de Jesus.
     Portanto, quando a tristeza vier como uma avalanche sobre as nossas vidas, como cristãos, o que devemos fazer é estar debaixo do cuidado providencial e disciplinar do Deus Pai, e assim, a nossa alegria não morre na tristeza.

O Dia Que A Minha Mãe Morreu
    
     Quando eu tinha 28 anos de idade, a minha mãe foi morta. Eu me lembro exatamente aonde eu estava parado quando o telefone tocou.
      O meu cunhado disse assim: "John, eu tenho más notícias. Sua mãe acaba de ser morta em um acidente de ônibus e nós não sabemos como seu pai vai reagir."
     Eu voltei para o meu quarto, cai de joelhos ao pé da minha cama e chorei por duas horas.
     E como eu chorei pela perda da pessoa mais importante da minha vida, eu estava sobrecarregado de alegria. Eu estava sobrecarregado pela alegria dela ter sido uma grande mãe.
     Em segundo lugar, Deus tinha me dado a minha mãe por 28 anos. Em terceiro lugar, nós tínhamos nos reconciliado de formas maravilhosas pelas quais eu a tratei como uma criança. Em quarto lugar, ela não sofreu por um longo período de tempo. Foi instantâneo, em um momento. E por último, eu estava sobrecarregado de alegria por que ela estava com Jesus.
     Juntamente com a perda maciça e dolorosa, de cortar o coração, de derramar lágrimas em abundância, estava a alegria, a alegria e a alegria. A alegria cristã não é para ser morta quando é assaltada pela tristeza.

Tristeza e Doçura

     Outro exemplo. Há aproximadamente três semanas atrás eu tive uma conversa com a minha irmã mais velha, minha única irmã. Deus tem sido bom para nós ao longo dos últimos anos e inclusive tem dado à nós um relacionamento renovado, doce e profundo.
     Eu só vejo a minha irmã uma vez por ano mais ou menos. Ela vive a cerca de 1771 km de distância. Quando estamos ao telefone, nós falamos principalmente sobre as tristezas em nossas vidas.
     Nós estávamos compartilhando as nossas tristezas e surpreendentemente, ambos de nós fomos levados pelas nossas emoções naquele momento.
     Quando eu desliguei o telefone, eu disse para a minha esposa: "Esta foi a melhor conversa que eu já tive com a minha irmã."
     O que é que foi isto? A conversa foi totalmente dominada pelas lágrimas, com tristeza, mas alguma outra coisa estava acontecendo. Foi um laço e um vínculo emocional de doçura entre nós.
     E a minha argumentação é que a alegria cristã não é morta pela tristeza. A alegria cristã não morre, quando a tristeza abunda.

Um Chamado Para a Alegria

     Me permita deixar você com esta exortação pessoal da carta aos Filipenses. Receba esta exortação como se o inspirado apóstolo Paulo, e até mesmo o próprio Cristo, estivessem falando com você:

    "Regozijai–vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai–vos.
     Seja a vossa eqüidade notória a todos os homens. Perto está o Senhor.
     Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.
     E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus." (Filipenses 4.4–7)

Esta mensagem é a sexta e última mensagem, de uma série de seis mensagens sobre o tema da alegria no livro de Filipenses. John Piper, nos guiou através de um pequeno estudo sobe como entender a alegria, e nos dedicar à alegria, e então aplicar a alegria em toda a nossa vida.




Fonte: DesiringGod Foundation | Autor: John Piper | Tradutor: Thiago Mancini

0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria