CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

REFUTANDO OS ARGUMENTOS CONTRÁRIOS À DENÚNCIA DE HEREGES - por Thiago Oliveira


A pouco tempo escrevi dois textos criticando/denunciando líderes do segmento evangélico brasileiro. Meus textos foram publicados em sites e blogs apologéticos e tiveram apoio da maioria dos leitores. Cheguei a receber um e-mail de um leitor que se identificou com o que eu havia escrito e disse que estava de acordo com a minha postura. Mas acontece que algumas pessoas retrucaram, reclamaram, me criticaram, me xingaram e talvez tenham até me excomungado (risos). Diante disto, resolvi refutar os cinco argumentos mais comuns entre os que não só me censuram, mas que, de certa forma, criticam aqueles que denunciam os falsos pastores (i.e. Hereges). Vamos então aos argumentos:

1. SÓ DEUS PODE JULGAR

Este é um argumento clássico de pessoas que acham que o julgamento é uma atribuição exclusivamente divina, pois, entendem que em Mateus 7:1, Jesus Cristo proibiu as pessoas de cometerem julgamento. Esse erro provém de uma leitura superficial do referido versículo, deslocado de seu contexto. Cristo está ali, condenando a postura farisaica de julgar as demais pessoas tendo a si mesmo como exemplo de conduta. Tais pessoas, acreditam ser tão boas, que mesmo tendo uma trave em seu olho, reparam no cisco que está no olho do outro (Mateus 7:3). É típico do farisaísmo enxergar com “lentes de aumento” os pecados das demais pessoas e minimizar os seus próprios pecados.

De modo algum, Jesus nos proíbe de discernir, avaliar e ponderar. Se fosse assim, como teria dito logo em seguida: “Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem” (Mateus 7:6)? Ora, para identificar quem são os cães e quem são os porcos, é necessário julgar. O julgamento é uma responsabilidade de todo crente, todavia, não deve ser feito de acordo com o mero achismo ou sem conhecimento de causa. O ato de julgar é respaldado pela Palavra. A própria Escritura é o parâmetro e não a nossa justiça própria (João 7:24). E se há condenação, quem condena é o próprio SENHOR, através da sua Lei registrada na Bíblia.

2. ATIRE A PRIMEIRA PEDRA AQUELE QUE NUNCA PECOU

De certo, uma das passagens bíblicas mais distorcidas da história. No registro de João 8, os fariseus vão até Jesus para acusa-lo e para isso levam uma mulher e perguntam: “Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?” (João 8:4-5). Qual a questão aqui? Do que estes homens queriam acusar Jesus?

Os escribas e fariseus queriam acusar a Cristo de ser contrário a Lei, desqualificando seu ministério, pois nenhum judeu daria ouvidos a um messias que fosse contrário a Moisés, ou de ser um contraventor e desacatar a autoridade do Império Romano. Se Jesus perdoasse a mulher, estaria agindo contra Lei (ser contra a Lei é cometer pecado, Jesus nunca pecou) e para os judeus, contra Moisés, seu estimado profeta. Se condenasse a mulher, seria levado até as autoridades romanas, pois naquele contexto, só os romanos poderiam executar alguém.

Acontece que aquele “tribunal” ali criado era forjado. Em Deuteronômio 22:22 diz que em caso de adultério, homem e mulher devem morrer. Sendo assim, se aquela mulher tinha sido pega em flagrante, onde estava o homem? Ademais, toda a Justiça deveria ser aplicada por magistrados, segundo relata Deuteronômio 16: 18-20. Alguém ali era magistrado? Não. Nem mesmo Jesus tinha este ofício em seu ministério terreno.

Quando é dito: “atire a primeira pedra aquele que não tiver pecado”, é uma referência aquele pecado de forjar, ou melhor, torcer a justiça. Cristo não foi indulgente e nem suplantou a Lei. Ele foi justo e no fim deu ordens aquela mulher para que ela deixasse de pecar. Se fosse exigido das pessoas não pecarem para exercer julgamento, não haveriam mais tribunais e as disciplinas eclesiásticas não poderiam ser aplicadas, uma vez que todos pecam (1João 1:8). Mas, obviamente, este não é o caso.

3. NÃO MOSTRE O ERRADO, ENSINE APENAS O CERTO.

Um amigo me disse que eu não devo mostrar o errado e apenas mostrar o certo. Confesso que, apenas apontar os erros sem trazer à tona a verdade bíblica seria uma baita de uma idiotice. Porém, o outro extremo também é falso. Há situações em que é preciso mostrar o equívoco para em seguida ensinar a forma correta. Um exemplo claro disso é o Sermão do Monte: Por diversas vezes Jesus falou “ouvistes o que foi dito, eu porém vos digo”. Há quem pense que Jesus está revogando a Lei do Antigo Testamento, quando na verdade ele revoga a interpretação dos mestres da lei (escribas e fariseus). Fica tão claro que era o ensino farisaico que estava sendo atacado como falso, que a multidão chega à seguinte conclusão:
“E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina; Porquanto os ensinava como tendo autoridade; e não como os escribas”. Mateus 7:28-29

4. A BÍBLIA JÁ DIZ QUE SURGIRÃO OS FALSOS PROFETAS

Talvez, este seja o argumento mais desprovido de razão. Pois, não é o fato de a Bíblia já nos advertir que os falsos profetas surgirão e até proliferarão, que não podemos combate-los. Paulo, Pedro, João, e os pais da Igreja nos primeiros séculos nunca se omitiram por conta disso. Com certeza eles conheciam as profecias e mesmo assim foram combativos sempre que surgiam as heresias no meio do povo de Deus.

Observando os apóstolos veremos: João fala mal de Diótrefes (3 João 1:9). Paulo dizendo a Timóteo que entregou a Satanás os blasfemadores Himineu e Alexandre (1 Timóteo 1:20). Possivelmente, o mesmo Alexandre é citado na segunda carta enviada a Timóteo. Paulo diz que ele foi causador de diversos males e roga para que Deus o julgue segundo as suas obras (2 Timóteo 4:14). Na mesma carta, cita Figelo e Hermógenes como líderes dissidentes da Ásia (2 Timóteo 1:15). E sobre os falsos profetas e hereges insubordinados, as recomendações são estas:

a) Devemos nota-los e evita-los (Romanos 16:17)
b) Devemos repreendê-los (Tito 1:9-13)
c) Devemos nos apartar deles (2Tessalonicenses 3:6)
d) Não devemos ter comunhão com eles (2João 9-11)
e) Devemos rejeitá-los (Tito 3:10)

5. NÃO TOQUEIS NO UNGIDO DO SENHOR

Deixei este argumento por último, pois assim como o primeiro, também é um clássico. Ele se baseia numa fala de Davi (1Samuel 24:6), quando teve a chance de matar o Rei Saul, que lhe perseguia com a intenção de tirar-lhe a vida. Também pode ser encontrado em 1Crônicas 16: 21-22 e Salmos 105:15. Como diz o Rev. Augustus Nicodemus, tal frase é desculpa de quem não tem argumento e nem exemplo para dar como resposta quando é confrontado por alguém à luz das Escrituras.

A unção a qual Davi se refere era a do Rei, para que este governasse debaixo da autoridade e da benção divina, não é unção de líder eclesiástico. E outra: Davi, não tocou no “ungido do Senhor”, por não querer matá-lo. Mas daí a dizer que ele não se opôs a Saul é pura enganação. Até quando as pessoas continuarão cegas e utilizarão argumentos tão pífios como este para justificar sua conduta omissa em relação a defesa da fé?

Encerro esse texto com uma palavra que se encontra na Epístola de Judas, verso 3: “Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos.” (grifo meu).

0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria