CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

PÁSCOA 2015 E O COELHINHO DA PROSPERIDADE – Helbert Souza

O COELHINHO DA PROSPERIDADE

pascoa 2014

Cuidado, na páscoa 2015 o coelhinho evangélico da prosperidade financeira está a todo vapor!


A páscoa não é apenas mais um feriado em nosso país. É um símbolo religioso cultivado principalmente por cristãos católicos, os quais seguem a sua antiquíssima tradição, não comer carne vermelha nas quartas e sexta-feiras da Quaresma. Estes dizem fazê-lo para se sentirem mais próximos de Cristo.

 Dentre os cristãos evangélicos alguns aproveitam a época para redimir o real sentido bíblico desta festa judaico-cristã; outros a ignoram, pois acreditam que é apenas uma data comercial ou católica; existem ainda  aqueles que se dividem, pois não sabem se é errado ou não, celebrá-la e trocar chocolates. Porém os que  mais gostam da páscoa e se beneficiam com ela são os “coelhinhos da prosperidade financeira”.


Qualquer leitor assíduo da Bíblia é cônscio de que não há proibições nela para o consumo de carne vermelha neste ou em qualquer outro período do ano. É uma tradição da ICAR (Igreja Católica Apostólica Romana) e não um mandamento bíblico.

De acordo com entrevista concedida, no ano de 2013, pelo padre Antônio Cruz ao G1,
“embora alguns dos católicos, praticantes ou não, deixem de comer carne vermelha nas quartas e sexta-feiras da Quaresma, período entre a quarta-feira de cinzas e o domingo de Páscoa, a Igreja não considera pecado a quebra desta tradição que vem sendo mantida geração após geração [...] a abstinência da carne nesse período deixou de ser obrigatória”. Na prática, a continuidade da atitude, denota que há igual importância para os fiéis entre o  tradicionalismo e a Escritura.

Conforme se pode observar, no meio evangélico moderno, a falta de conhecimento sólido da Palavra de Deus impera. A Bíblia fala em diversos textos sobre a páscoa. Em Êxodo 12, por exemplo, vemos a sua instituição. Em 1 Coríntios 5:7, temos a informação de que Cristo é a nossa páscoa. Dentre tantos outro textos tanto do Antigo Testamento (p.ex. Lv 23:5 -  Nm 9:2;4 - Ed 6:19 - 2 Re 23:23 etc) e do Novo (p.ex. Mt 26:19 - Mc 14:16 - Lc 2:1  - Jo 18:39 - Hb 11:28 etc). 
Sendo assim, ignorá-la, vê-la como festa católica ou comercial é, no mínimo, descaso para com um conceito que é bíblico, é escornar um momento tão oportuno para a evangelização, pois o tema páscoa está impregnado na mente das pessoas nesta época. Exatamente por isto, temos uma excelente oportunidade para ensinar o correto conceito bíblico sobre esta.

Por outro lado existem alguns cristãos evangélicos que se amoldam completamente a páscoa forjada por nossa cultura. Abraçam-na como se fosse uma doutrina cristã. 
Algumas crianças evangélicas chegam ao ponto de orar para o coelhinho não se esquecer de passar, pois a televisão e amigos os “evangelizam” mais com os conceitos seculares do que os pais com prescrições bíblicas.

Não creio que devamos ser tão radicais ao ponto de recusar que algum conhecido não crente nos presenteie com ovos de páscoas ou chocolates, haja vista ser uma prática normal em nossa país. Ele não conhece o Evangelho e poderia se ofender, considerando o crente um mais um religioso arrogante, fanático e sem educação. Fechando-se para posterior evangelização. 
Também seria demasiadamente rígido um pai – ou mãe – negar chocolates aos seus filhos pequenos neste momento, já que a criança vê tantos amigos ganhado ovos de chocolate e ainda não tem discernimento para entender o real conceito disto. O que precisamos fazer é falar para estes sobre Cristo, a verdadeira páscoa. Usar esta oportunidade para que o Senhor os convença e os faça ver mais sentido na fé do que na cultura popular. Para que o Senhor os converta e assim venham a preferir infinitamente mais o Cordeiro de Deus ao coelhinho da páscoa.

Por fim, aparecem os “coelhinhos da prosperidade financeira”. 
Tal como a o cristianismo secularizado distorceu o sentido original da páscoa e criou grandes oportunidades de lucro, assim também o fizeram os vendilhões do templo, aliás eles vendiam aquilo que era útil para o sacrifício, para o culto.

Diz  o texto, no Evangelho de Cristo, situado em João 2:
13. Estando próxima a Páscoa dos Judeus, subiu Jesus para Jerusalém.
14. E encontrou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas e também os cambistas assentados.

Chegou a páscoa e lá estão eles. Continuam no templo. Vendem o Evangelho.
Fazem barganha com as verdades da fé.
Os “cambistas espirituais” também estão presentes nesta páscoa de 2015. Trocando a moeda do país material (dólar, euro, etc...) por moedas do país espiritual (poder de cura, unção especial, dons espirituais).

Fazem da igreja um shopping; do púlpito, um balcão; do Evangelho, uma mercadoria; dos crentes, consumidores. E desta forma negociam a fé. Cobram pela graça. Justificam pelas obras.

O problema, não é apenas os que vedem, mas também o desejo desenfreado e materialista dos compradores. Como se não bastasse os “coelhinhos da prosperidade” venderem os seus ovinhos, aqueles que se satisfazem com a condição de “consumidores evangélicos”, cantam uníssonos a tradicional canção de páscoa

Coelhinho da Páscoa
Que trazes pra mim?

Carro novo, prosperidade, dinheiro sem fim (2x)


Coelhinho da Páscoa
Que mais você tem?

Mansão, Lamborghini, jatinho também (2x)
(versão adaptada do coelhinho evangélico)

Que o Senhor desperte a nossa nação, os nossos irmãos (aqueles que de fato o são) trazendo-nos sempre à mente que o objetivo de principal de Deus não é, de longe, trazer prosperidade financeira. A vontade de Deus é que todo crente genuíno se deleite em Cristo, a nossa páscoa, o nosso libertador do Egito, a nossa salvação. Por meio do sangue de Cristo nos umbrais de nossas almas é que a ira de Deus não nos alcançou.

Lembremo-nos que a morte do cordeiro na páscoa judaica era um tipo da morte de Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e, portanto, o único que pode nos livrar da morte.

Olhemos para Êxodo 12 e aprendamos :

1. O livramento da morte depende da morte do Cordeiro (Ex 12.4-6)
2. O livramento da morte depende de estar debaixo do abrigo do sangue (Ex 12.7,13,14)
3. Os que foram libertos pelo sangue precisam se alimentar do Cordeiro (Ex 12.8-12)
4. Os que celebram a Páscoa do Senhor precisam lançar fora todo o fermento da maldade 
(Ex 12.15-20)

0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria