CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

DEZ PERGUNTAS PARA SE FAZER SOBRE A LETRA DE UMA MÚSICA - por Aaron Menikof


Escolher músicas para cantar na adoração pública é um negócio complicado. Todos na igreja parecem ter uma opinião. Então como um pastor ou uma equipe de presbíteros devem selecionar músicas que glorifiquem a Deus e sirvam ao corpo? O estilo e a qualidade da música são importantes, é claro. Ainda assim, eu sugeriria que a letra é uma preocupação primária — então aqui estão dez perguntas para fazer sobre a letra de qualquer canção que você esteja considerando incluir na adoração pública.                                                                                                                                              
 1. A letra é verdadeira?

Cada canção é como um sermão. Um pregador deve estar comprometido em falar apenas aquelas palavras que reflitam precisamente a verdade bíblica. Da mesma maneira, as letras devem ser lidas cuidadosamente antes de serem selecionadas para se ter certeza de que elas também comunicam a verdade bíblica.

2. As letras são verdadeiras, porém, enganosas?

Letras que são tecnicamente verdade, mas podem ainda assim ser enganosas. Então não é o suficiente afirmar a veracidade da letra; sua clareza também é importante. Eu creio que a música de Brian Doerksen “Vinde, Agora é a Hora de Adorar” cai nesse campo. Primeiro, dizer que agora é a hora de adorar está certo, mas ainda assim isso leva as pessoas as pensarem que elas não estão adorando enquanto estão no carro indo para a igreja? Segundo, dizer “Vinde como estás” é tecnicamente correto, mas não corre o risco de ignorar a importante verdade de que devemos nos achegar a Deus com mãos limpas e um coração puro?

3. A letra é rica?

A maioria de nossas canções não deveria ter apenas um aperitivo teológico, mas um banquete. Felizmente, há uma demanda crescente por letras ricas, o que explica o renascimento dos hinos mais antigos, algumas vezes aplicados a novos estilos e até mesmo novas letras com maior profundidade teológica.

4. A letra é teocêntrica ou antropocêntrica?

Essa é uma ideia complicada. Algumas letras antropocêntricas tendem a se concentrar em nossa resposta ao caráter ou a obra de Deus — e elas podem ser muito apropriadas. Mas uma abundância de letras antropocêntricas pode dar à congregação uma pesada dose de moralismo e até mesmo desencorajamento. Outras letras antropocêntricas tendem a se concentrar em como estamos nos sentindo, como vamos, ou o quão alegres estamos quanto a o que Deus tem feito. Embora isso possa ser apropriado, uma abundância desse tipo de música pode levar à superficialidade (estou cantando que me sinto ótimo quando na realidade, não me sinto) ou ao orgulho (eu sou o centro). Mas se a letra se concentra em Deus e no que ele tem feito, então somos retirados do nosso moralismo e do nosso orgulho e a letra começa a pregar verdade aos nossos corações, nos levando a pensar e sentir as coisas certas.

5. A letra louva a Deus por quem ele é, e não meramente por o que ele tem feito?

Nós deveríamos estar contentes em cantar frequentemente sobre o caráter de Deus e não meramente sobre sua obra. Deus é honrado quando cantamos seus atributos tanto quanto sobre suas ações. Cantar apenas sobre sua obra é dar a entender, mesmo sem a intenção, que Deus é bom porque ele me salvou. E embora isso seja verdade, também é verdade que Deus é bom porque ele é bom — e devemos reconhecer tal verdade na música.

6. A letra aborda explicitamente a obra expiatória de Cristo na cruz?

Embora nem toda canção mencione a cruz, a maior parte de nosso canto deve ser centralizado na cruz uma vez que isso é o que o torna cristão. Embora seja maravilhoso cantar os salmos, e nós devemos cantá-los, devemos estar cientes de que um bom judeu pode cantá-los se nem sempre abraçar seu pleno significado. A letra de nossas canções deveriam especificamente ensinar a congregação a respeito da expiação.

7. A letra é bonita?

Algumas composições são mais bonitas que outras. O que torna uma letra mais bonita que a outra é um tópico para outro dia. Mas vários fatores devem ser considerados: 1) o uso da rima e da assonância; 2) o uso de figuras; 3) o uso de elegantes versos inflados ou linguagem floreada; e 4) o uso de repetição.

8. A letra é compreensível?

Alguns dos antigos hinos são maravilhosos para estudantes de teologia que passam horas lendo os puritanos, mas podem deixar outros coçando a cabeça pensando: “Eu sei que eu deveria gostar disso, mas eu simplesmente não sei o que significa”. É aí que um bom líder de louvor faz toda a diferença. Trechos que são difíceis de entender podem ser explicados de antemão. Ou, simples mudanças podem ser feitas no texto contanto que a integridade do hino seja preservada.

9. A letra é familiar?

Enquanto é importante apresentar novas letras, toda congregação deve ter um cânon de letras bem gastas para as quais possam retornar regularmente. Assim como boa escrita recompensa a releitura, o canto repetido de boas letras podem levar seu significado mais profundamente ao coração.

10. A letra se encaixa no tema do dia?

A maioria das letras de música são apropriadas para qualquer culto. Você consegue encontrar qualquer texto de sermão na Bíblia onde não seria apropriado cantar sobre a santidade, o amor, a misericórdia de Deus ou a esperança no céu? É claro que não! Ainda assim, cada letra tem uma ou duas claras ênfases. E devemos escolher letras que sublinharão o significado do texto que estamos prestes a ouvir ser pregado. Isso não deve ser feito simplesmente encontrando canções com “amor” no título se o tema do dia é o amor de Deus (embora títulos possam ser uma boa maneira de começar). É melhor fazer mais perguntas. Qual aspecto do amor de Deus estamos considerando naquele dia? Seu amor como Criador? Seu amor como Redentor?


Tradução: Alan Cristie

0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria