CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

AS TRÊS FASES DA REGENERAÇÃO – por Leonardo Dâmaso


     A regeneração (Tt 3.5; 1Pe 1.3) ou o novo nascimento (Jo 3.3, 5, 7) é uma mudança sobrenatural operada pelo Espírito Santo no mais profundo intimo do eleito, vivificando o seu espírito que outrora estava morto transformando radicalmente a sua natureza, que inclinada somente para o pecado e em desagradar a Deus, passa agora ter a capacidade pelo Espírito Santo de viver uma vida que o glorifique em temor e obediência.

     Gordon Lyons corrobora que a regeneração é um ato completamente de Deus, e uma demonstração de sua onipotência. É o mesmo tipo de onipotência que Deus exerceu quando, por Sua palavra de comando, Ele criou o universo; ou quando, por uma semelhante palavra de comando, o Senhor ressuscitou os mortos. É requerido um poder onipotente para criar o universo ou ressuscitar os mortos, assim, é requerido o mesmo poder onipotente para ressuscitar aqueles que estão espiritualmente mortos. É este poder divino e onipotente que Deus exerce na regeneração quando, por seu Espírito Santo, ele ressuscita um pecador da morte espiritual, fazendo-o uma nova criação (Jo 5.25; 2Cor 5.17).1

    John Gill salienta que a regeneração pode ser considerada de forma mais ampla, incluindo a chamada eficaz, a conversão e a santificação; ou de forma mais restrita, designando o primeiro princípio de graça infundido na alma. Isto faz da alma um objeto preparado para a chamada eficaz, um vaso apropriado à conversão, sendo também a fonte daquela santidade que é gradualmente desenvolvida na santificação e aperfeiçoada no céu.2

     Em vista disso, alguém poderia perguntar: “A regeneração acontece “antes, durante ou após” a pregação do evangelho”?  

     De fato, o Espírito Santo regenera uma pessoa “antes, durante e depois da exposição do evangelho”. Como assim? A fim de compreendermos melhor esta questão, é necessário, a despeito da regeneração, esboçarmos as suas três fases que estão estritamente relacionadas, que, por sinal, não é muito enfatizado. Senão vejamos:  

     1. VIVIFICAÇÃO – Esta primeira fase é um ato exclusivo de Deus, no qual ele opera sem meios e sem a cooperação humana, e se refere ao chamado externo que resulta no chamado interno quando o Espírito Santo vivifica o espírito morto (Ef 2.1-3) e abre o ouvido surdo do pecador eleito (veja Mc 4.9, 23; 7.16; Ap 2.7, 11, 17, 29; 3.6, 13, 22, onde a expressão “quem tem ouvidos para ouvir” se refere à pessoa regenerada que tem a capacidade de ouvir o evangelho no sentido de compreendê-lo e obedecê-lo) “implantando a faculdade da fé”, antes da exposição das Escrituras para que ele possa ouvir [espiritualmente] e compreender as suas implicações para, assim, crer e se arrepender. Logo, esta primeira fase “precede” ou ocorre antes da pregação do evangelho. Temos como exemplo nas Escrituras o caso de Lídia, descrito em At 16.14, onde o Senhor "abriu o seu coração" antes da pregação de Paulo para que pudesse culminar no próximo passo que veremos a seguir.  

     2. CONVERSÃO – Esta segunda fase além de ser um ato primário de Deus, conta também com a participação humana em certa ponto, onde Deus emprega o meio da pregação do evangelho. Após o pecador eleito ter sido ser vivificado ou ter nascido de novo, ele, agora, recebe o “poder da fé” que o capacita a ouvir e compreender o evangelho e suas implicações (Rm 10.17). Em seguida, é dado ao pecador eleito o dom da fé (Ef 2.8-10) e do arrependimento (At 11.18; Rm 2.4; 2Tm 2.25), onde ele é capacitado pelo Espírito Santo a crer e se arrepender de seus pecados. Acerca disso, Hoekema afirma com maestria que a conversão é obra de Deus e obra do homem. É preciso que Deus nos converta e, ainda assim, nós precisamos nos converter a ele.3

     3. SANTIFICAÇÃO – Esta terceira fase é o resultado e a evidência da conversão. Após ter crido e se arrependido dos seus pecados, o pecador eleito recebe a “operação da fé”, o qual demonstra a sua conversão abandonando o velho estilo de vida outrora campeado pela prática do pecado através de um novo estilo de vida caracterizado pelo temor [respeito e reverência] a Deus e obediência a sua vontade descrita nas Escrituras por meio de mandamentos. Se os dois estágios anteriores [vivificação e conversão] são atos exclusivos de Deus mediante o Espírito Santo, no qual o homem não participa, sendo passivo, contudo, na santificação, Deus torna o homem ativo para que este, agora, coopere juntamente com ele neste processo que envolve a participação de ambas as partes. Deus age no homem onde ele busca a santificação que emana do Espírito Santo (Fp 2.12-13).  



NOTAS:      

1 Gordon Lyons. A doutrina da Regeneração. Citação extraída do site: www.monergismo.com
2 John Gill. Os termos bíblicos para o novo nascimento. Citação extraída do site: www.monergismo.com
3 Antony Hoekema. Salvos pela graça, pág 119.


0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria