CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

JUSTIFICAÇÃO - Por Leonardo Dâmaso




TEXTO BASE: Rm 3.28a


INTRODUÇÃO
    

      John Macarthur afirma que “não há doutrina mais importante para a teologia cristã do que a doutrina da justificação pela fé somente - o princípio sola fide da Reforma”.1

Lutero disse que “a doutrina da justificação pela fé é o artigo pelo qual a igreja permanece ou cai”. Calvino salienta que a doutrina da justificação “é o eixo ao redor do qual a igreja gira”. Antony Hoekema enfatiza que “se a igreja estiver errada nessa doutrina, estará igualmente errada nas demais”.2



EXPLANAÇÃO


1- A Definição de justificação

     Em termos simples, podemos definir a justificação como “um ato de Deus pelo qual ele declara o pecador eleito como sendo justo sobre a base da justiça de Cristo. E visto que a justificação se refere à justiça de Cristo sendo legalmente creditada ao eleito de Deus”;3  

     Berkhof sintetiza que “com base nessa justiça, todas as ordens da lei são satisfeitas com respeito ao pecador”.4 Ou seja, “a pessoa passa a ser considerada totalmente justa diante da lei de Deus e todas as exigências da lei são plenamente satisfeitas”.5

Nessa mesma linha de pensamento, John Murray afirma que “a justificação é simplesmente a declaração a respeito do relacionamento da pessoa com a lei com a qual o juiz tem o dever de julgar”.6 John Stott expande este pensamento nestas sublimes palavras:

     “Justificação é um termo legal ou jurídico, extraído da linguagem forense. O contrário de justificação é condenação. Os dois são o decreto de um juiz (onde se declara o julgado como culpado ou inocente do crime cometido). Dentro do contexto cristão eles são veredictos escatológicos alternativos que Deus como juiz, poderá anunciar no dia do juízo (Hb 4.13). Portanto, quando Deus justifica os pecadores hoje, está na verdade antecipando o seu próprio julgamento, isto é, trazendo até o presente o que de fato faz parte dos últimos dias”.7

     Portanto, concluímos que “a Justificação não é um processo, mas um ato declaratório de Deus. Acontece fora de nós, e não em nós”.8 É instantâneo e não gradual. É a ação de Deus em declarar judicialmente que a situação de determinada pessoa está em harmonia com as demandas da lei”.9 Noutras palavras, é ser plenamente absolvido do crime cometido como se nunca o tivesse feito.  



NOTAS:

1- John Macarthur. Artigo: Muito antes de Lutero: Jesus e a doutrina da Justificação.
2- Antony Hoekema. Salvos pela Graça, pág 155.
3- Vicent Cheung. Teologia Sistemática, pág 184-185.
4- Louis Berkhof. Teologia Sistemática, pág 510.
5- Franklin Ferreira. Teologia Sistmática, pág 254.
6- John Murray. Redenção consumada e aplicada, pág 109.
7- John Stott. Romanos, pág 124.
8- Hernandes Dias Lopes. Comentário Bíblico de Romanos, pág 165.
9- Ibid, pág 166.


2- A necessidade da justificação

     A razão insofismável pela qual era necessário haver a justificação é doravante ao pecado. Paulo diz em (Rm 3.23) que todos pecaram, e estão afastados da glória de Deus. NTLH Ainda na carta aos Romanos, o apóstolo expande mais sobre esta realidade da depravação total do homem também no (1.21,23-31). Jesus Disse também no sermão do monte em (Mt 5.20) que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus. ACF

     Todos pecaram por estarem unidos pactualmente ao nosso representante Adão no Éden. Deus imputou o pecado dele a todos. Nós estávamos lá naquele dia em Adão! E partindo da lógica deste pressuposto, o homem pós-pecado é morto espiritualmente (Gn 2.16-17; Ez 18.4; Rm 6.23). Não obstante, adoramos e mantemos comunhão com Deus em espírito, porque Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade (Jo 4.24). NVI

No entanto, como todos morreram espiritualmente em Adão ao pecar contra Deus, em consequência disso, toda a humanidade nasce pecadora, morta espiritualmente e completamente incapaz de se voltar para Deus em arrependimento e fé através de sua escolha (Rm 3.10-12; 1Cor 2.14).

     Portanto, foi necessário Deus pela sua soberania e graça misericordiosa no conselho trinitariano, traçar todo o plano da redenção e enviar Cristo Jesus o justo para morrer pelos injustos, para assim, sermos justificados por Deus, adotados na família divina e retornarmos novamente a comunhão intíma e profunda com o Pai em espírito (Hb 10.19-20).

3-
O autor da justificação

     Indubitavelmente, a fonte ou o autor da nossa justificação é Deus e sua graça bendita. “A salvação é obra de Deus do começo ao fim. Trata-se de um plano eterno, perfeito e infalível de Deus Pai. Deus planejou nossa salvação antes de lançar os fundamentos da terra.

(1Pe 1.20) Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver que lhes foi transmitida por seus antepassados, mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito, conhecido antes da criação do mundo, revelado nestes últimos tempos em favor de vocês. NVI
Não foi a cruz que tornou o coração de Deus favorável a nós; foi o coração terno de Deus que providenciou a cruz. O sacrifício de Cristo no calvário não foi a causa da graça, mas o resultado”.10 “Não foi Jesus Cristo quem tomou a iniciativa, no sentido de fazer algo que o pai relutava ou não estava disposto em fazer.

Não há dúvida de que Cristo veio por sua própria vontade e se entregou gratuitamente. Mesmo assim, ele o fez em submissão à iniciativa do Pai”.11

(Jo 10.17-18) Por isso é que meu Pai me ama, porque eu dou a minha vida para retomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou por minha espontânea vontade. Tenho autoridade para dá-la e para retomá-la. Esta ordem recebi de meu Pai. 

4- A base da justificação

     Se o autor da justificação é Deus e sua graça, a base da justificação é a justiça de Cristo. Todavia, o fator que predomina esta justiça é a obediência de Cristo, na qual é composta pelo aspecto ativo, referente à obediência a lei por nós, e a obediência passiva, que consiste no cumprimento penal dos pecados por meio do sofrimento e morte de cruz.

Haja vista que não devemos fazer separação entre ambos os aspectos da obediência. Tanto o lado ativo quanto passivo da obediência do salvador estão praticamente interligados entre si, e apenas formam o pilar da plena obediência que Cristo obteve durante a sua vida impecável em que esteve presente nesta terra, que por fim culmina na sua justiça como base da nossa justificação. Berkhof diz que “a base da justificação encontra-se somente na justiça perfeita de Jesus Cristo”.12

(Is 53.12) Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o seu despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu. ARA

(Fp 2.7-8) Ao contrário, esvaziou a si mesmo, ao assumir a forma de um escravo, tornando-se como os seres humanos são (natureza humana afetada pelo pecado). E, quando ele surgiu como um ser humano (no estado de humilhação), humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte – (e) morte na estaca (cruz) como um criminoso! BJC

(Fp 3.9) e ser encontrado nele, não tendo a minha própria justiça que procede da lei, mas a que vem mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus e se baseia na fé. NVI

(Rm 3.21-22a) Mas agora se manifestou uma justiça que provém de Deus, independente da lei, da qual testemunham a Lei e os Profetas, justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que crêem. NVI

5- A distinção entre a justiça Transferida e a justiça pessoal

      Basicamente, o termo imputar ou transferir significa atribuir algo a uma pessoa. Denota creditar ou pôr esse algo em sua conta. O que é imputado ou transferido a pessoa passa a ser legalmente dela; e isto é contado como uma coisa que lhe pertence”.13
 
     No contexto bíblico, imputação não significa trocar a natureza ou a essência da pessoa, isto é, a condição anterior, o seu caráter. Entretanto, a imputação somente afeta a posição legal da pessoa. Ou seja, quando os pecados dos eleitos foram transferidos para Cristo na cruz, isto não fez de Jesus pecador, tampouco contaminou a sua natureza e afetou o seu caráter santo. Esta transferência na verdade apenas tornou Cristo o responsável legal destes pecados.

       Sobre esta questão de justiça imputada, Calvino sintetizou a “iustitia aliena, isto é, a justiça que vem de outro, que vem de fora. Todavia, não há nenhuma dúvida de que aquele que é ensinado procurar justiça fora de si próprio é destituído de justiça em si mesmo. Mais adiante, Calvino diz: Você pode ver que nossa justiça não está em nós, mas em Cristo, e que a possuímos somente sendo participantes em Cristo; de fato, com ele possuímos todas essas riquezas”.14 Portanto, conforme diz as Escrituras, a justiça de Cristo é imputada ou transferida a nós. A nossa justificação vem de fora, iustitia extra nos, procedendo da justiça de Cristo. 

      Por outro lado, em contrapartida, “devemos também ter o cuidado de não confundir a justiça imputada (a qual recebemos pela fé e que é a única base de justificação) com os atos pessoais de justiça (santidade), realizados pelos crentes como resultado da obra do Espírito Santo em seus corações”.15

Vicent Cheung com muita propriedade ressalta que “a justificação é uma justiça imputada, e a santificação é uma justiça infundida. A justificação é uma declaração instantânea de justiça, mas a santificação (progressiva, não no aspecto posicional de santificados) se refere ao crescimento espiritual do crente após ele ter sido justificado por Deus”.16

(Rm 4.6-11) Davi diz a mesma coisa, quando fala da felicidade do homem a quem Deus credita justiça independente de obras: Como são felizes aqueles que têm suas transgressões perdoadas, cujos pecados são apagados. Como é feliz aquele a quem o Senhor não atribui culpa. Destina-se esta felicidade apenas aos circuncisos ou também aos incircuncisos? Já dissemos que, no caso de Abraão, a fé lhe foi creditada como justiça. Sob quais circunstâncias? Antes ou depois de ter sido circuncidado? Não foi depois, mas antes! Assim ele recebeu a circuncisão como sinal, como selo da justiça que ele tinha pela fé, quando ainda não fora circuncidado. Portanto, ele é o pai de todos os que crêem, sem terem sido circuncidados, a fim de que a justiça fosse creditada também a eles; NVI
6- O agente da justificação

     Conforme vimos anteriormente, o autor da justificação é Deus e sua maravilhosa graça; a base da justificação é a justiça de Cristo, não obstante, o agente ou o meio da justificação é a fé. “A regeneração precede tanto a fé como a justificação, e nunca é dito que ela segue ou resulta da fé, nem que deve sempre ser confundida com a justificação. É a regeneração que leva à , e é a que leva à nossa justificação”.17

(Gl 2.16b) Assim, nós também cremos em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo...

     É dito na Escritura, principalmente por Paulo no NT, que “a fé justifica porque ela recebe e abraça a justiça de Cristo oferecida no evangelho”.18 “A fé para Calvino era apenas a causa instrumental da justificação. Somente Deus justifica. Então, nós transferimos esta mesma função a Cristo porque a ele foi dado ser nossa justiça. Heber Carlos de campos afirma que “é pela fé somente que o homem é justificado, mas a fé em si mesma não justifica. Através dela o homem abraça a Cristo por cuja graça somos justificados”.19

“Comparamos a fé a uma espécie de vaso. A menos que venhamos esvaziados e com a boca de nossa alma aberta para procurar a graça de Cristo, não seremos capazes de receber Cristo”.20 “Portanto, a fé é nossa resposta divinamente capacitada ao chamado eficaz de Deus, e a justificação é a resposta à nossa fé, a qual, antes de tudo, veio de Deus (2Tm 2.24-26)”.21

     Talvez uma pergunta possa ecoar de nossa mente a partir deste pressuposto: Porque Deus decidiu justificar por meio da fé? E porque não pelas obras? Conforme já sabemos, a lei não veio para ser obedecida e não tem o poder de justificar. Ninguém consegue obedecer à lei, pois a sua função básica dentre outras, é apontar para Cristo o justificador.

No entanto, somos justificados pela fé porque a fé nos leva a uma atitude sincera de completa rendição a Deus. É como se disséssemos isto: Eu desisto! Eu desisto de tentar obedecer à lei fazendo dela o meio para eu ser salvo pelos os meus próprios méritos como recompensa de uma justiça falha e hipócrita.

As minhas obras não têm o poder de me justificar diante de Deus (Rm 3.20; Gl 2.16, 5.4), portanto, eu me entrego a Cristo completamente, pois só ele pode me declarar justo pela sua justiça, e eu creio nisto!

(Rm 3.24-28) Sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. Deus o ofereceu como sacrifício para propiciação mediante a fé, pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça. Em sua tolerância, havia deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; mas, no presente, demonstrou a sua justiça, a fim de ser justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. Onde está, então, o motivo de vanglória? É excluído. Baseado em que princípio? Na obediência à lei? Não, mas no princípio da fé. NVI
 
(Rm 9.30) Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? Sim, mas a justiça que é pela fé. ACF

7- Quando se dá a justificação?

      Sobre o tema em pauta, Berkhof escreve:

      “Em (Rm 8.29-30) a justificação está entre os dois atos de Deus realizados no tempo (antes de todas as coisas), nos quais são a vocação eficaz e a glorificação, sendo que esta começa no tempo presente (a partir da conversão) e se completa na eternidade futura. E estes 3 juntos (conhecimento, predestinação e chamado), resultam de outros dois que são explicitamente indicados como eternos (justificados e glorificados eternamente).

      Entretanto, o Espírito não aplicou, nem poderia aplicar este ou qualquer outro fruto da obra de Cristo desde a eternidade. Contudo, podemos falar de uma justificação do corpo global de Cristo que aconteceu em sua ressurreição (Rm 4.25), mas esta justificação é puramente objetiva, e, portanto, não deve ser confundida com a justificação pessoal do pecador (no ato da conversão).22

      Portanto, mesmo que os eleitos de Deus já tenham sido conhecidos, predestinados, chamados, justificados e glorificados por Deus em Cristo antes mesmo do pecado e de tudo vir a existir, todavia, os eleitos não nascem regenerados e sim mortos espiritualmente, e indelevelmente precisam se arrepender de seus pecados e vir a crer em Jesus como o seu salvador para assim receberem todos os benefícios da obra de Cristo em suas vidas.

8- A extensão da justificação

    Via de regra, a extensão da justificação nos remete a extensão da expiação de Cristo. Para entendermos até onde a justificação abarca, precisamos entender por quem Cristo morreu? Por todas as pessoas ou somente pelos seus eleitos? Conforme diz a tradição reformada, “Deus justifica somente o seu povo, sua igreja, aqueles que pertencem a Deus, aqueles que o Pai entregou ao Filho para que por eles morresse e ressuscitasse”.23

Em (Rm 8.33) diz claramente que a extensão da justificação está limitada somente aos eleitos de Deus a quem ele justificou por meio da obra redentora de Cristo: Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. NVI

     A morte de Cristo pelo mundo inteiro ou por todas as pessoas em geral, conforme diz alguns textos como (Is 53.4-12; Mt 26.28; Mc 10.45; Jo 1.29; Jo 3.16; Rm 5.7-10; 1Cor 15.3; Gl 1.3-4; Tito 2.14; 1Jo 2.1-2; Hb 2.9; Ap 5.8-9; Mc 4.11-12; Jo 10.11,15, 26-28; Jo 17.6-9, 19-21) não deve ser entendida no âmbito universal, isto é, que a morte de Jesus foi pelos eleitos e para os não eleitos, para os crentes e para os que nunca vão querer ser crentes.

Não obstante, expressões como esta não significam em todo o contexto das escrituras que a extensão é universal, mas simplesmente ela utiliza destes termos mundo, por todos e por nós para sintetizar a universalidade e diversidade dos vários eleitos espalhados por todo mundo.

(Ap 5.9) pois foste morto, e com teu sangue compraste para Deus homens de toda tribo, língua, povo e nação. NVI
 
     Ronald hanko diz que “o que tais passagens ensinam é que Cristo morreu por todos os homens sem distinção, não por todos os homens sem exceção. Em outras palavras, tais passagens ensinam que Cristo morreu por todos os tipos de homens (1Tm 2.6a), por todos que estão nEle (1Cor 15.22), ou pelo mundo de seu povo, isto é, por seus eleitos de todas as nações”.24

     Concluímos então que, assim como a expiação de Cristo foi limitada, a justificação também é limitada, isto é, restrita e eficaz somente nos eleitos para a salvação. Em contrapartida, quanto à humanidade não eleita por Deus, ainda sim, eles desfrutam e participam também dos benefícios da morte vicária de Jesus, porém, não para a salvação e justificação, mas no que se refere à providência comum, que incluí bênçãos materiais, saúde, prosperidade entre outras coisas.


NOTAS:

10- Hernandes Dias Lopes. Comentário Bíblico de Romanos, pág 168.
11- John Stott. Romanos, pág 127.
12- Louis Berkhof. Teologia Sistemática, pág 520.
13- David S. Steele e Curtis C. Thomas.  Justificação pela Fé (A dupla imputação). Jornal: Os Puritanos.
14- Calvino.  Institutas da religião Cristã, III, 11,23.
15- David S. Steele e Curtis C. Thomas.  Justificação pela Fé (A dupla imputação). Jornal: Os Puritanos.
16- Vicent Cheung. Teologia Sistemática, pág 188.
17-  Ibid, pág 185.
18- Calvino. Institutas da religião Cristã, III, 11,17.
19- Heber Carlos de Campos. A justificação pela fé nas tradições Luteranas e Reformadas.
20- Calvino. Institutas da religião Cristã, III, 11,17.
21- Vicent Cheung. Teologia Sistemática, pág 185.
22- Louis Berkhof. Teologia Sistemática, pág 516-517.
23- Heber Carlos de Campos. A justificação pela fé nas tradições Luteranas e Reformadas.
24- Ronald Hanko. Doctrine according to Glodiness, Reformed free publishing Association, pág 155-156.


CONCLUSÃO


     Duas considerações finais acerca dos benefícios da justificação:

a) A doutrina da justificação nos dá esperança para a salvação mediante a fé na justiça de Cristo, e também concede esperança tanto aos incrédulos quanto aos que crentes que vivem ainda debaixo do jugo das obras, como o meio para se obter a salvação, o perdão, a justificação e todos os outros benefícios da obra de Cristo por nós.

b) A doutrina da justificação nos remete a confiança e alegria de que nossos pecados foram pagos e perdoados na cruz de Cristo pelos seus méritos, e que Deus nunca irá nos punir, no sentido de condenação ou pagar por eles novamente (Rm 8.1). Por outro lado estamos sujeitos a conseqüência de pecados cometidos e a disciplinas oriundas do Senhor por causa deles (Hb 12.5-11).

     Na justificação, Deus não nos torna justos, Ele perenemente nos declara justos, completamente inocentes como se jamais hovessémos pecado contra Ele! É Deus declarando o culpado como inocente, o injusto como justo!

(2Cor 5.19) Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. ARC

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria