CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

MODELOS ADOTADOS POR MUITAS IGREJAS E UM ANTÍDOTO - Pr Ivan Teixeira

1. Modelo Wall Street: princípios empresariais. Neste modelo os líderes se preocupam com resultados: dinheiro; investimentos. A preocupação da liderança é mais com as coisas e empreendimentos do que com as pessoas. As pessoas são apenas meios de se conseguir os objetivos e metas propostos.

Antídoto: precisamos resgatar a visão bíblica da igreja como uma família, não como uma empresa. A igreja é uma família, e seu objetivo é a maturidade (1Co 3.1-4).
2. Modelo Hollywood: princípio de entretenimento. Neste modelo os líderes estão preocupados em divertir as pessoas, em vez de discipular. Os líderes se tornam animadores de auditórios.
Antídoto: A igreja é um exército. Não estamos num parque de diversão, mas numa batalha contra as hostes espirituais da maldade. A igreja precisa, na realização de sua missão, se revestir da armadura de Deus na evangelização dos povos.
A igreja é um exército, e seu objetivo é conquistar almas para Cristo.
O líder é um soldado que não se embaraça com negócios desta vida (2Tm 2.3-4).
3. Modelo Terapêutico: divã de um psiquiatra. Muitos líderes estão preocupados em massagear o ego das pessoas, em vez de chama-las a renunciar a si mesmas. Preocupam-se em dá um escape da culpa, em vez de conclama-las ao arrependimento. Preocupam-se na valorização da autoestima, em vez de valorizar o autocontrole. A ênfase está em fornecer apoio e soluções para nossas mais profundas necessidades emocionais e psicológicas, em vez de prestar um culto espiritual a Jesus Cristo.
O hedonista britânico Oscar Wilde disse: “Amar a si mesmo é o começo de um romance para toda a vida.”. Robert Schuller disse: “Amar a si mesmo é ser verdadeiramente religioso.”. Isto é o que Schuller chamou de “a Nova Reforma”. Esta “Nova Reforma” centraliza-se no “eu”. O homem é o centro!
Num contraste agudo, o Senhor Jesus disse que se alguém deseja se tornar Seu discípulo, deve negar-se a si mesmo e se amar menos (cf. Mt 10.34-39; 16.24; Mc 8.34-38; Lc 14.25-35). Aqui Deus é o centro! Um dos slogans da Reforma Protestante do século XVI foi Soli Deo Gloria!
Antídoto: A igreja é um corpo em que cada membro é responsável para o bem do todo. Todos os membros são responsáveis uns pelos outros. Cristo é a Cabeça deste corpo de eleitos de Deus. Por isso, Ele é o centro!
02. Modelo bíblico de Igreja.
Quando estudamos a Bíblia para compreendermos o que é a igreja e no que ela deve está envolvida não encontramos nenhum dos modelos acima. A Bíblia, a Palavra de Deus, usa outras imagens para descrever a igreja. Estas imagens não se encaixam muito bem nos modernos modelos.
Para termos uma revitalização e não reinvenção da igreja, nós precisamos resgatar pelo menos quatro modelos bíblicos para a igreja.
1. O modelo doutrinário.
A igreja é uma comunidade centrada na Palavra de Deus, no ensino dos apóstolos (At 2.42). Neste contexto vemos que após a conversão das quase três mil almas, todas elas estavam perseverando na doutrina. As pessoas eram salvas para aprenderem mais de seu bendito Salvador e sua salvação.
2. O modelo koinonia.
A igreja é um povo que vive em comunhão profunda com o Deus triúno e uns com os outros.
3. O modelo epicêntrico.
Um epicentro é onde um terremoto começa. Ele envia suas ondas de choque pelo solo por quilômetros em todas as direções.
Nosso desejo deve ser que a igreja experimente um avivamento bíblico que ela, a igreja, irradie em todas as direções. O tipo de tremor que queremos ver é de evangelismo, discipulado, plantação de igrejas, revitalização de igrejas e atos de amor, misericórdia e justiça.
Paulo em suas viagens missionárias plantou igrejas por meio do evangelismo e discipulado bíblicos. Depois, ele trabalhou para revitalizar e fortalecer as igrejas que havia plantado (cf. At 14.21-23).
4. O modelo doxológico.
A igreja é um povo resgatado para adorar verdadeiramente ao Deus verdadeiro.  Para que nossas igrejas sejam revitalizadas pelo poder do Espírito Santo, nós devemos, primeiro, adorar a Deus Pai em espírito e em verdade como o Senhor Jesus ensinou (Jo 4.24).
Infelizmente, algumas abordagens errôneas são vistas na doxologia das igrejas.
(1) entretenimento: os planos para o culto são controlados por questões como: “Todos estão se divertindo?”. O interesse primário é que as pessoas se divirtam quando vão à igreja. Acima de tudo, queremos que elas tenham experiências agradáveis para que queiram voltar. O objetivo é agradar e divertir o cliente.
(2) edificação: Nesta abordagem, o culto é focalizado no quanto os crentes se beneficiarão dele. Se uma pessoa perde o culto, por exemplo, a principal preocupação é com as bênçãos que ela não recebeu. Neste estilo, pensa-se muito pouco em glorificar a Deus porque o foco é sobre o que se acredita que o culto faça em favor das pessoas.
Calvin Johanssonn chamou isso de “autoindulgência individualista”. Estas pessoas pensam que o culto existe ou é feito para elas. Neste caso a adoração é introvertida, ou seja, voltada para as necessidades sentidas das pessoas. Mas, a essência do culto é extrovertida – quando damos a Deus louvores e celebrações pelo que Ele é e pelos Seus atos criadores, provedores e redentores. O culto não é gratificação pessoal, mas glorificação do Deus vivo e verdadeiro.


Pr. Ivan Teixeira
Site: privanteixeira.blogspot.com
Contato: professorivanteixeira@gmail.com

4 comentários :

  1. Por onde começa as aulas online???????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Luana, segue o link:
      http://www.materiasdeteologia.com/2012/08/bem-vindo-ao-curso-de-teologia-online.html

      Excluir

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria