CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

POR QUE O LÍDER CRISTÃO PRECISA ESTUDAR A BÍBLIA? - Por Pr. Ivan Teixeira

Antes de considerarmos as razões para estudar a Bíblia, faz-se necessário fazê-lo antecipando com duas razões invocadas para não se estudar a Bíblia. Essas “razões” frequentemente revelam mitos como truísmos
por força de constante repetição. Ou seja, há o perigo de repetirmos algo constantemente aponto de tornar-se verdade.

1) A Bíblia é de difícil compreensão.

Há pessoas que evocam o mito de que as Escrituras Sagradas são tão difíceis de compreender que apenas teólogos altamente especializados e com treinamento técnico podem ocupar-se de seu estudo.
É claro que na Escritura não são todas as coisas igualmente claras em si, nem do mesmo modo evidentes a todos (2Pe 3.16; Jo 16.17; 6.60); contudo, as coisas que precisam ser obedecidas, cridas e observadas para a salvação, em um ou outro passo da Escritura são tão claramente expostas e explicadas, que não só os doutos, mas ainda os indoutos, no devido uso dos meios ordinários, podem alcançar uma suficiente compreensão delas (Sl 119.105; At 17.11,12).

Quando os reformadores afirmavam a perspicuidade ou clareza das Escrituras não queriam dizer que tudo nelas é claro. Eles sustentavam que a Bíblia é basicamente lúcida e clara. É simples o bastante, permitindo a qualquer pessoa alfabetizada entender sua mensagem básica. Isto não significa que todas as partes da Bíblia sejam igualmente claras ou que não haja nela passagens e textos difíceis. Leigos não familiarizados com as línguas originais e minúcias da exegese poder sentir dificuldades com alguns de seus textos, mas o conteúdo essencial é suficientemente claro podendo ser compreendido com facilidade. Martinho Lutero, por exemplo, estava convicto de que o material obscuro e de difícil compreensão numa passagem é apresentado de forma mais clara e simples em outras partes das Escrituras.

Observamos que o etíope confessou sua necessidade de que alguém lhe explicasse as Escrituras (cf. At 8.31); Pedro confessa que as cartas de Paulo contêm “...pontos difíceis de entender...” (2Pe 3.16). Os próprios profetas não compreendiam certas implicações de suas mensagens (cf. 1Pe 1.11). Esdras se serviu de auxiliares para declarar e explicar o sentido da Lei do SENHOR, para que lendo, “...se entendesse...” (cf. Ne 8.8).

A insistência dos reformadores era no fato de que a essência da mensagem bíblica – que a salvação vem pela graça, por meio da fé – é simples o suficiente para ser entendida até pelos iletrados. Daí a determinação deles de pôr a Bíblia vernácula nas mãos dos leigos. John Owen afirmava: “Nas Escrituras divinas, há vaus e profundezas; vaus onde o cordeiro pode passar, e profundezas onde o elefante pode nadar”. Em outras palavras, nas profundezas das Escrituras tanto o crente mais simples quanto o teólogo mais competente podem se deleitar nas verdades da Palavra de Deus sem, contudo esgotá-la.
O Cristianismo bíblico não é uma religião esotérica. As Sagradas Escrituras não é um compêndio de enigmas. Seu conteúdo não está oculto em símbolos vagos que requerem um tipo especial de “percepção” para decifrá-las. Não há necessidade de nenhuma proeza intelectual ou dom espiritual para compreender a mensagem básica das Escrituras, mas somente a iluminação do Espírito Santo de Deus (cf. Jo 14.26; 16.13; 1Co 2.12,13; 1Jo 2.20,27).

2) A Bíblia é enfadonha.

Tal afirmação reflete não tanto uma incapacidade de entender o que está escrito, mas um gosto e uma preferência por aquilo que se considera interessante ou empolgante. Há alguns que citam o texto de Ec 12.12, interpretando-o erroneamente, para apoiar essa posição. Só consideramos algo como enfadonho quando não nos interessa. Se afirmarmos tal coisa é porque precisamos de um genuíno arrependimento. Precisamos mudar nossa mente a respeito deste particular.
Somente os insensatos rejeitam, desprezam e endurecem seus corações e não ouvem e entendem as Palavras do Senhor (Sl 50.17; Is 5.24; Jr 6.10; 26.23; Zc 7.12).

Atitudes dos Ímpios quanto à Bíblia.
Desprezam-na
Am 2.4.
Esquecem-se dela
Os 4.6.
Abandonam-na
2Cr 12.1; Jr 9.13.
Recusam-se dar-lhe ouvidos
Is 30.9; Jr 6.19.
Recusam-se a anda nela
Sl 78.10.
Rejeitam-na
Is 5.24.

3) Razões erradas para um estudo das Escrituras.

Como pode ser observado, infelizmente, há aqueles que estudando as Escrituras Sagradas são levados a fazê-lo com motivações erradas. Quando assim sucede somos prejudicados em vez de beneficiados pelo estudo das Escrituras. Eis alguns exemplos:
a) Alguns estudam as Escrituras a fim de satisfazerem seu orgulho literário. Neste ponto as pessoas são envolvidas apenas por um intelectualismo árido. Têm luz na mente, mas não têm fogo no coração.
b) Outros estudam a Bíblia para satisfazer seu senso de curiosidade, como o fariam com qualquer outro livro famoso. Pode ser dito que: As Sagradas Escrituras não nos foram dadas a fim de satisfazer nossa curiosidade intelectual e nem nossas especulações carnais, e, sim, para habilitar-nos para toda a boa obra, e isso mediante o ensino, a reprovação e a correção com toda longanimidade (cf. 2Tm 3.16,17; 4.2).
c) Ainda outros estudam para satisfazer seu orgulho sectarista.
d) E por fim, há aqueles que estudam o Livro Sagrado com a finalidade de argumentar com êxito com aqueles que discordam de suas opiniões.
Podemos contrastar todos estes motivos errôneos com a exortação do apóstolo Pedro: “desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que por ele vos seja dado crescimento para salvação, se é que já tendes a experiência de que o Senhor é bondoso.” (1Pe 2.2,3). Devemos estudar as Escrituras em vista o crescimento para a salvação. Este é nosso alvo.

4) Razões para um estudo proveitoso das Escrituras.

a) Devemos estudar as Escrituras porque “...nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4.4).
b) O povo de Israel deveria estudar as Escrituras – ensinando, falando, atando e escrevendo – para “...que não te esqueças do SENHOR, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão” (cf. Dt 6.6-9,12).
c) Há necessidade de estudar-se as Escrituras “...como obreiro que não tem de se envergonhar, que maneja bem a Palavra da verdade” (2Tm 2.15).
d) Precisamos estudar devagar as Sagradas Letras “...que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus” (2Tm 3.15). As Escrituras é o poder de Deus para a salvação (cf. Rm 1.16).
e) Devemos estudar as Escrituras “...como meninos novamente nascidos...”, que anelam ardentemente “... o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo para a salvação” (1Pe 2.2 ARA).

O estudo detido da Palavra de Deus torna-se de suma importância para o crescimento do líder cristão salvo em Cristo Jesus. Quando o cristão ou obreiro/líder anela/deseja intensamente pela Palavra de Deus, ou seja, tem prazer na Lei do SENHOR e na Sua Lei medita de dia e de noite (cf. Sl 1.2), como crianças que almejam afetuosamente o leite materno, chegará a um alvo concreto. O leite racional da Palavra de Deus objetiva o crescimento para a salvação. O crescimento não é obra dos obreiros ou dos líderes, mas lhes é dado por Deus (cf. 1Co 3.6). “O crescimento é para a salvação, que é o alvo do processo (1Pe 1.9). Para Pedro a salvação é colocada no fim dos tempos (cf. 1Pe 1.5), sendo trazida quando Cristo vier novamente ao mundo (1Pe 1.13); atualmente, para os crentes, é objetivo de “viva esperança” (cf. 1Pe 1.3)”.

Nesta sequência temos a afirmação de Paulo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” (1Tm 4.16).
Se realmente quisermos ser uma bênção para a obra de Deus, nós ministros, diáconos, presbíteros – naquela época Timóteo –, devemos casar o viver santo – “Tem cuidado de ti mesmo...” – e o ensino íntegro – “...e da doutrina”. Aqui o obreiro/líder é admoestado por Paulo a continuar atentando para si mesmo, ou seja, para seus deveres, sua vida, seus dons, seu privilégio de atingir as profundezas da promessa de Deus – “...te salvarás...”; particularmente, também, para a doutrina. O líder precisa permanecer ou perseverar nessas coisas, ou seja, na vida santa e na vigilância em referência ao ensino. A promessa é: “...porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”. Não há dúvidas de que a salvação não se consegue por meio das obras (cf. Tt 3.3; Ef 2.6-8); todavia, uma vez que o viver santo e a sã doutrina são o fruto da fé, Paulo está apto a dizer que “ao agir assim” o líder salvará a si e aos seus ouvintes.

O líder deve também desenvolver a salvação com temor e com tremor (cf. Fp 2.12), ou seja, levá-la à sua conclusão, digeri-la completamente e aplicá-la ao viver diário. Deve envidar todo esforço para produzir o fruto do Espírito Santo (cf. Gl 5.22,23). O líder deve almejar nada menos que a perfeição moral e espiritual.
William Hendriksen afirma sobre o texto de Filipenses 2.12 que: Não nos equivocamos ao afirmarmos que, em tal contexto, o tempo do verbo indica que Paulo tinha em mente a ideia de um esforço contínuo, vigoroso, estrênuo: “Continuai a operar (=a desenvolver)”. Os crentes não são salvos de um só golpe, por assim dizer. Sua salvação é um processo (cf. Lc 13.23; At 2.47; 2Co 2.15). É um processo no sentido em que eles mesmos, longe de permanecerem passivos ou inativos, tomam parte ativa. É um prosseguir, um seguir após, um avançar com determinação, uma contenda, uma luta, uma corrida (vd. Fp 3.12; também Rm 14.18; 1Co 9.24-27; 1Tm 6.12).
É Deus quem está operando em nós esta tão grande salvação (cf. Fp 2.13). Se não fosse o fato de Deus estar operando em nós, jamais estaríamos a operar a nossa própria salvação.
f) É preciso debruçar-se no Livro Sagrado, pois é “a palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes” (1Ts 2.13).


0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria