CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

AS QUALIDADES DO VERDADEIRO PASTOR - Por Leonardo Dâmaso


TEXTO BASE: 1 Tm 4.6-16
INTRODUÇÃO
      Na primeira seção deste capítulo, vemos que Paulo descreve no (vs.1) a iminente apostasia dos últimos dias que assolaria a igreja no decorrer dos anos, e que culminaria com o abandono da fé de alguns, aparentemente cristãos, para seguirem a influência de espíritos enganadores e a doutrinas de demônios.


      O apóstolo vai frisar no (vs.2) que estes ensinamentos são inseridos na igreja através dos falsos mestres hipócritas e mentirosos cuja consciência foi cauterizada. Em outras palavras, uma consciência insensível ou afastada de Deus pelas influências malignas.

No (vs.3) Paulo salienta o falso ascetismo empregado pelos falsos mestres entre os cristãos que “reflete a heresia gnóstica que considerava a matéria intrinsecamente má, e que encontrava expressão especifica na recomendação de se evitar o casamento e de se abster de alguns tipos de alimento”.1

      Em contraste, o apóstolo refuta este falso ensino em 3 proposições:

“(a) Que a intenção de Deus na criação não é negar essas coisas aos homens, mas concedê-las. Elas devem ser recebidas com ações de graças. Isto é verdadeiro para todos os homens, mas é aplicado aqui especificamente àqueles que crêem e conhecem a verdade (vs.3b).

(b) Pois tudo o que Deus criou é bom. Isto é um golpe na raiz da heresia (Mc 7.19; At 10.15).

(c) Que as coisas são legitimamente desfrutadas pelos cristãos quando forem recebidas com ações de graças, e pela palavra de Deus e pela oração, é santificado (vs.4-5)”.2  

_________________________________________________________________________________________________

      Depois de ter feito a descrição dos falsos mestres e das falsas doutrinas a Timóteo e o seu dever de combatê-las (vs.6), agora na segunda seção do capítulo 4 dos (vs.6-16), Paulo dá conselhos ao jovem pastor acerca da sua vida pessoal e suas responsabilidades espirituais como ministro de evangelho.

Ele orienta a Timóteo a “alimentar-se constantemente com as palavras da Escritura e seu ensino fiel, evitando todos os mitos e falsas doutrinas (vs.6). Disciplinar a si mesmo tendo em vista a piedade (vs.7-11).

Ordenar e ensinar com ousadia a verdade da palavra e ser um modelo espiritual de virtude que todos pudessem seguir (vs.12). Ler e explicar com fidelidade as escrituras em público (pelo dom que lhe fora dado) ênfase acrescentada por mim (vs.13-14) e por fim, em sua própria vida, progredir no assemelhar-se a Cristo (vs.15-16)”.3

NOTAS E COMENTÁRIOS BÍBLICOS UTILIZADOS:

1- Comentário bíblico NVI. Pág 2057.
2- Ibid.
3- John Macarthur. Com vergonha do evangelho, pág 22.


ESPLANÇÃO


1- A RESPONSABILIDADE DO PASTOR COM O MINISTÉRIO (vs.6-7a).

a) A fidelidade no ensino da boa doutrina (vs.6a).

     Vemos que após Paulo ter instruído a Timóteo sobre a questão das falsas doutrinas que se infiltrariam na igreja através dos falsos mestres, o apóstolo agora vai orientá-lo a despeito da responsabilidade de transmitir essas instruções aos irmãos NVI.

Timóteo deveria pela fidelidade no ensino da boa doutrina advertir a igreja sobre o perigo da falsa doutrina e o início da apostasia religiosa “que, quanto ao seu desenvolvimento, ainda pertenciam ao futuro”.4

      “A Palavra grega hupotithesthai, que se traduziu Expondo estas coisas ARA, significa aconselhar, assessorar, assinalar, sugerir”.5 “Literalmente colocar debaixo. Em outras palavras, Timóteo semelhante a um construtor, deve servir de fundamento para a fé daqueles cristãos Efésios”.6

     Como resultado disso, o jovem pastor provará ser um bom ministro de Cristo. O substantivo ministro no grego significa diakonos. Aqui não denota a função de diácono como em (1Tm 3.8-12), mas sim a de ministro, ou de ministrar.

William Hendriksen diz que: “Um bom ministro é alguém que, com amorável devoção à sua tarefa, ao seu povo e, acima de tudo, ao seu Deus, adverte contra a apostasia da verdade, e mostra como se deve tratar o erro. Tal homem realmente representa e pertence a Cristo Jesus”.7 
b) A dedicação no estudo da boa doutrina (vs.6b).

       No texto alume, Paulo diz agora que um bom ministro de Cristo Jesus se alimenta com as palavras da fé e da boa doutrina. “O particípio presente sugere um processo continuo”.8 Timóteo aqui é exortado por Paulo a continuar se alimentando constantemente das verdades das escrituras, “(sendo que ele já vinha fazendo isso desde a sua infância 2 Tm 3.15)”,9 se quisesse manter-se como um pastor excelente.

       As palavras da fé é uma referência geral a toda a escritura. “São as palavras do evangelho que geram fé”.10 O termo “boa doutrina indica a teologia que a escritura ensina”;11 e tens seguido, enfatiza a obediência de Timóteo a palavra do Senhor Jesus numa vida de estudo devocional disciplinada (2 Pe 3.18).

      John Stott ressalta que: “Por trás do ministério do ensino, jaz a disciplina do estudo feito em particular. Todos os melhores mestres se mantém na condição de estudantes. Assim, antes de, com eficácia, ter condições de ensinar a verdade a outras pessoas, é necessário que primeiro nós mesmos tenhamos nos alimentado dela”.12

Um ministro que negligência o estudo de sua bíblia, e a doutrina baseada nela, atrofia seus poderes pelo desuso”.13 “O bom ministro prega a palavra da qual ele próprio se
alimente diariamente”.14

c) A rejeição das falsas doutrinas (vs.7a).

       Paulo, reconhecendo o perigo constante que as falsas doutrinas representam para a igreja, alerta a Timóteo para que ele rejeite as fábulas profanas e de velhas caducas. Noutras palavras, Paulo está dizendo a Timóteo que ele não desperdice o tempo discutindo idéias tolas nem mitos e lendas absurdas NBV.

      A expressão fábulas que o apóstolo denúncia como um erro doutrinário, vem do termo grego mythos, da qual se traduz a palavra mitos, que “são as estórias que as velhas contam para as crianças”.15 Profanas significa aquilo que é mundano, o oposto do que é santo, “que convém somente velhas caducas (um epíteto comum que indica algo adequado apenas para pessoas sem instrução e nem sofisticação filosófica)”.16  
           
      Não obstante, Paulo já havia mencionado acerca deste assunto em (Tt 1.14 e 1Tm 1.4). Estas fábulas e genealogias sem fim se referiam a “certos tipos de lendas sobre personagens do AT que são encontradas em muitos textos judaicos apócrifos, que mais tarde evoluiu para o gnosticismo, acerca das origens do mundo e das incontáveis criaturas espirituais supostamente envolvidas na criação”.17



“Em contraste com a heresia contra a qual Paulo adverte a Timóteo na seção do (4.1-5), heresia que tinha ampla referência, ainda que não exclusivamente ao futuro, mas já faziam parte do presente na igreja”.18 É a despeito disso que Paulo exorta a Timóteo a evitar estas frivolidades que não tem valor algum na edificação do espírito.

2- A IMPORTÂNCIA DE UMA VIDA DEDICADA A DEUS (vs.7b-11).

a) A disciplina espiritual (vs.7b-8).

      Conforme vimos na seção anterior, Paulo exorta a Timóteo acerca da sua responsabilidade para com o ministério, orientando-o a ser fiel no ensino da boa doutrina, a ser diligente no estudo da boa doutrina e, rejeitar discussões inúteis com base em histórias tolas que se disfarçam de religião BLC (os mitos e fábulas judaicas), para que agindo assim, ele continuasse a ser um bom ministro de Cristo.

Agora, Paulo abarca o dever de Timóteo para com a sua vida pessoal, no que se refere a manter uma disciplina espiritual usando uma ilustração como exemplo. O apóstolo “desafia Timóteo a se dedicar à piedade com o mesmo afinco que um atleta dedica-se a seu esporte”.19

       Timóteo não somente deve evitar perder tempo discutindo sobre as fábulas profanas e de velhas caducas ARA, mas principalmente, deve exercitar-se, pessoalmente na piedade ARA. Noutras palavras, Timóteo deveria gastar seu tempo e sua energia na prática de conservar-se espiritualmente apto NBV, ou progredir na vida cristã fazendo sempre exercícios espirituais NTLH (vs.7b).

      Como exemplo para Timóteo entender sua premissa, Paulo usa uma “comparação entre o valor do exercício físico (literalmente ginástica corporal) e o exercício para a vida piedosa”.20

 Ou seja, aqui o apóstolo “está falando de ginástica e de um ginásio de esportes. Sendo Jovem, Timóteo sabia da importância de praticar exercícios para se ter uma boa saúde; ele sabia ainda que um treinamento seja essencial para os atletas que pretendem competir nos jogos”.21 Além do mais, estes jogos eram muito populares em toda a Grécia naquele tempo.  

      Via de regra, Paulo diz que o exercício físico tem algum proveito, é bom em certos aspectos. “A alimentação disciplinada e o exercício são duas coisas indispensáveis para a saúde do corpo”22 (vs.8a).  

Entretanto, o exercício espiritual NBV é útil em todos os sentidos. Todavia, Paulo não está dizendo que praticar um exercício físico é errado, mas sim que, o benefício que o exercício físico produz, por maior que seja em relação à recompensa espiritual de uma vida dedicada a Deus é muito inferior.

      “O primeiro tem a ver com o aqui e o agora (vida presente NVI), promove a saúde, o vigor e a beleza física. O segundo com o aqui e o agora, (promessa da vida presente NVI desfrutando da comunhão com Cristo e das bênçãos provenientes do amor de Deus) e também, abrange a vida eterna (promessa da vida futura NVI)” 23 (vs.8b).
_____________________________________________________________________

Doravante a isso, ainda que o exercício físico seja relevante em partes, contudo, viver uma vida espiritual piedosa e disciplinada é indelevelmente promissor. “Pois esta afirmação do (vs.8b) sobre o proveito de uma vida que glorifica a Deus certamente é fiel e digna de toda a aceitação ARC (vs.9)”.24    

b) O serviço cristão (vs.10a).

      Apesar da fulgente declaração de Paulo no (vs.9) acerca dos benefícios que temos de viver uma vida inteiramente dedicada ao Senhor agora no presente, e depois no futuro, o apóstolo continua afirmando que:

Para este fim, (ou, por causa desta palavra), que é fiel e digna de toda a aceitação; de que somos participantes das bênçãos presentes e vindouras de levarmos uma vida piedosa (vs.8b), é que nos motiva, por isso que labutamos e nos esforçamos sobremodo, por quanto temos posto a nossa esperança no Deus vivo. ARA  

        Noutras palavras, Paulo estava sintetizando o caráter e a importância do serviço cristão, encorajando Timóteo, e querendo que ele entendesse o seguinte:

Se nós (Paulo, Timóteo e os que se empenham no trabalho da evangelização) trabalhamos duramente até a exaustão e lutamos muito, “(estas duas palavras falam do esforço e cansaço tanto físico quanto mental em proclamar o evangelho)”25 é porque pomos a nossa esperança no Deus vivo BJ de que, “os homens do mundo inteiro, quer judeus, quer gentios, ouçam o evangelho da salvação e, melhor ainda, para que recebam e adquiram a vida eterna. É essa vida, ou seja, a salvação que Deus prometeu no (vs.8b)”.26    

 c) O objeto do serviço cristão (vs.10b).  

      Paulo indubitavelmente afirma que, o objeto do serviço cristão, pelo qual nos devemos evangelizar é Deus, e o motivo da evangelização é visar a salvação de todos os homens, especialmente dos fiéis (gr. especialmente dos crentes) (vs.10b). ARA Nesta passagem, Paulo não se refere à salvação no âmbito universal, pois sabemos pelas escrituras que a salvação é restrita somente aos eleitos, ou os que crêem, e nem todos são eleitos e crêem, e muito menos vão crer no Senhor Jesus como Deus e salvador.

      Em suma, o que o texto diz é que Deus é o salvador de todos os homens, ou seja, Deus é salvador de todos os tipos de homens, homens de toda tribo, língua, raça e nação (Ap 5.9). A expressão especialmente os que crêem tem um duplo significado. Indica que Deus é salvador de todos os homens no sentido que anuncia a salvação a todos, mas que efetua a salvação somente aos crentes.

Enquanto Deus, por sua graça soberana, livra os cristãos da condenação e do castigo do pecado porque os substituiu na cruz (2Cor 5.21), os não cristãos também desfrutam de alguns benefícios terrenos provenientes da bondade de Deus como parte da graça divina demonstrada a toda a humanidade (Sl 145.9) “ao refrear o pecado (Rm 2.15) e o juízo (Rm 2.3-6).

Ao manter a ordem na sociedade por meio do governo (Rm 13.1-5), ao capacitar o homem para que possa apreciar a beleza e a bondade (Sl 50.2) e ao derramar bênçãos temporais sobre ele (At 14.15-17; 17.25), a compaixão que Deus mostra a pecadores não regenerados que não o merecem (Lc 19.41-44)”27 entre outras coisas.

      William hendriksen salienta que: “Nós que temos a fé posta no Deus vivo, e nessa esperança não somos desapontados, pois ele não é apenas um Deus bondoso que derrama bênçãos sobre todos os homens (Mt 5.45b), mas ele é, num sentido muito especial o salvador dos que pela fé abraçam a ele e sua promessa, pois a esses ele comunica salvação, vida eterna em toda sua plenitude (1.15)”.28

 “Dessa forma, Paulo não está dizendo que Deus salva crentes muito mais do que salva os demais; o apóstolo está simplesmente modificando a afirmação ampla de que Deus é o salvador de todos os homens, acrescentando a limitação de que ninguém é salvo, a menos que seja crente”.29
_____________________________________________________________________
     
      E para concluir esta síntese, Paulo termina dizendo a Timóteo para que ele ordene e ensine estas coisas (vs.11). ARA Timóteo aqui “recebe a ordem para que ordene (ou continue ordenando, ou continue ensinando estas coisas; ambos os verbos estão no imperativo presente)”.30

O que Timóteo deveria ordenar ou ensinar a igreja dos Efésios, tanto os presbíteros como os cristãos em geral, é que, a apostasia havia chegado através dos falsos mestres disfarçada de ascetismo religioso (algo aparentemente edificante, mas que não tem valor algum diante de Deus) (vs.1-3), e que este tipo de doutrina ofende a Deus e sua obra de criação (vs.4-5);

Que um bom ministro de Cristo Jesus é aquele que se alimenta das palavras da fé e da boa doutrina e transmite aos outros (vs.6); que eles deveriam rejeitar as fábulas profanas e de velhas caducas (vs.7a), exercitar-se na piedade (vs.7b) e que o beneficio de uma vida dedicada ao Senhor Jesus sobrepuja o resultado que o exercício físico produz (vs.8-10).   

3- A RESPONSABILIDADE DO PASTOR NA VIDA PESSOAL (vs.12-16).

a) A prática da palavra de Deus (vs.12a).

      John Stott diz que: “Esta seção começa com um enorme contraste entre o (vs.11-12), fazendo um resumo do problema que Timóteo estava enfrentando por ser um líder jovem”.31 “No mundo antigo uma pessoa entre 30 e 40 anos de idade era considerada jovem”.32  Timóteo deveria ter nesta época em que esta carta foi escrita a ele uns 35 anos.

Apesar de ter sido colocado numa posição de destaque preeminente como representante apostólico de Paulo e líderes dos presbíteros nas igrejas de Èfeso, todavia o seu ministério de ordenar e ensinar (vs.11) corria sérios riscos de ser minado por sua juventude.

“O que era evidente pelos sinais de que o seu ministério estava sendo rejeitado”,33  Talvez por vários membros das igrejas e, provavelmente, até mesmo pelos próprios presbíteros das igrejas, sendo que um presbítero naquele tempo geralmente era idoso ou de uma idade já madura, por volta dos 50 anos.

      Em contraste vemos “Timóteo, um homem muito mais jovem e, além do mais, uma pessoa muito reservada e tímida, exercendo autoridade sobre quem era bem mais velho que ele”.34 Por isso, Paulo escreve a Timóteo estas palavras de encorajamento: ninguém o despreze pelo fato de você ser jovem (vs.12a). NVI Noutras palavras: Que ninguém faça pouco caso de você. NBV

Mediante a proposição exposta, nos vem me mente uma pergunta: Como então, os líderes cristãos que são jovens, devem reagir numa situação como essa, para que não sejam desprezados e o seu ministério não seja rejeitado?
_____________________________________________________________________

      Timóteo deveria alcançar o respeito dos outros não se vangloriando de sua credencial, pelo contrário, ele deve portar-se como “um homem de sábio conselho, consagrado e de sabedoria prática. O respeito pelo homem equivale a respeito por seu oficio”.35  As pessoas não desprezariam Timóteo por sua juventude se vissem nele um exemplo para seguir (1Cor 11.1).
     “De uma forma crescente, Timóteo deveria ser um modelo para os cristãos pautarem suas vidas em 5 aspectos de acordo com o (vs.12b):

(1) NA PALAVRA – que é a conversação pessoal.

(2) NO PROCEDIMENTO – nas ações, costumes, hábitos e em como tratar as pessoas.

(3) NO AMOR – que é o profundo apego pessoal a seus irmãos e uma genuína preocupação para com o seu próximo (inclusive os inimigos), buscando sempre a promoção do bem estar de todos.

(4) NA FÉ – que é o exercício desse dom de Deus, que é a raiz da qual brota o amor. Provavelmente aqui o amor indique a relação horizontal; e a fé a relação vertical.

(5) NA PUREZA – que é completa conformidade de pensamento e ato com a lei moral de Deus”.36

       John Macarthur afirma que: “A vida exemplar de Timóteo nessas áreas compensaria as desvantagens de sua juventude”.37

b) O reconhecimento da autoridade (vs.13).

       Paulo aqui dá a seguinte instrução a Timóteo: Até a minha chegada, dedique-se à leitura pública das escrituras, a exortação e ao ensino (vs.13). NVI A expressão até a minha chegada está interligada com (3.14: esperando ir ver-te em breve).

Esta passagem nos dá a entender que Paulo poderia estar dizendo que talvez quando e se ele voltasse a Éfeso, ele daria novas instruções a Timóteo. Quem sabe o apóstolo “tivesse em mente outra missão na qual Timóteo então pudesse ser enviado”.38 

      Durante a ausência de Paulo em Éfeso, Timóteo “recebe instruções acerca do seu dever em relação ao culto público em toda a Éfeso. Ele deve providenciar para que em todas as igrejas 3 elementos indispensáveis fizessem parte do culto:

(1) a leitura pública das escrituras – como se fazia na sinagoga em voz alta (Lc 4.16; At 13.15; 2Cor 3.4; porém, não somente a leitura do AT, mas adicionando as porções do NT em desenvolvimento, Cl 4.16; 1Ts 5.27).

(2) a exortação - Como já era costume nas sinagogas fazer uma exposição do texto depois da sua leitura. “os chefes da sinagoga (judaica) mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a!”39
Daí a pessoa se levantava, como exemplo disso temos Paulo, que aproveitava a oportunidade e evangelizava. Isso inclui também advertência (por exemplo, contra o erro em doutrina moral), conselho e encorajamento”.40

(3) o ensino – é instruir, é educar as pessoas, (no caso aqui os cristãos) no profundo conhecimento da palavra de Deus. Uma das qualificações do bom ministro é ser apto para ensinar e estar sempre apto para aprender. William barclay enfatiza que: “Aquele que deseja ensinar deve estar continuamente aprendendo. Não é certo que quando alguém chega a ser mestre deixa de aprender”.41

 Hans Burki diz que: “Quem ensina, expõe os desígnios de Deus e evidencia as dádivas e os deveres deles decorrentes; interpela o entendimento e convida para o cumprimento em obediência”.42 

c) O exercício do dom (vs.14).

      Embora não saibamos qual seja especificamente o dom que Timóteo havia recebido por uma mensagem profética com a imposição de mãos de um grupo de presbíteros, juntamente com Paulo.

Indubitavelmente, o jovem pastor se recorda através das palavras de Paulo do momento da sua ordenação que não deve negligenciar, ou, não deve descuidar-se jamais desse dom, que é uma capacidade espiritual que lhe dada por Deus pelo Espírito, cujo propósito era o serviço cristão.

       Todavia, este dom foi dado a Timóteo por mensagem profética NVI (vs.14b). “Com toda probabilidade, este fato ocorreu em Listra na segunda viagem Missionária de Paulo. Foi então que Timóteo, com imposição de mãos dos presbíteros e pela operação do Espírito Santo, foi dotado com esse dom”,43 e orientado sobre como usá-lo, e a responsabilidade que deveria ter daqui para frente.

e) A condição do progresso (vs.15).

       Depois de exortar a Timóteo para que fosse um exemplo aos cristãos (vs.12), para que ele se dedicasse à leitura pública das escrituras, a exortação e ao ensino (vs.13), que ele não negligenciasse o seu chamado divino, o dom e o comissionamento (vs.14), Paulo prossegue mostrando a chave para Timóteo progredir. Ele precisa ter dedicação e ser perseverante.

O apóstolo diz: Medita nestas coisas, e nelas sê diligente, para que o teu progresso a todos seja manifesto. ARA

      “Meditar dá a idéia de examinar em profundidade, dedicar-se inteiramente a algo”.44 “A segunda dessas duas exortações: sê diligente significa, literalmente, esteja nelas, ou seja, totalmente tomado por elas, dedicando-se a elas com todo o coração e alma”.45  

“A vida e o ministério de Timóteo deveriam absorver suas energias e esforços e controlar toda a sua vida”.46 Como resultado, Timóteo iria obter progresso, e este progresso seria visto e contemplado por todos.

f) A firmeza na vida cristã (vs.16).


     Timóteo agora tem de se dedicar a duas coisas de vital importância.  Primeiro ele tem de dedicar-se em cuidar da sua própria vida, no que tange o seu caráter e suas atitudes diante de Deus e dos homens. E segundo, ele deve cuidar ou dedicar-se a doutrina (vs.16a), ou seja, ao ensino dela. Deve existir um equilíbrio entre ambas as partes, não se dedicando a uma mais do que a outra.

“Agindo assim, Paulo conclui – você salvará tanto a ti mesmo, Timóteo deveria perseverar e permanecer firme, constante e sempre abundante na obra do Senhor (1Cor 15.57) e na presença de Deus, só assim ele se salvaria e demonstraria através destes atributos a genuína conversão. E quanto aos que te ouvem (vs.16b)”.47 NVI

Embora a salvação pertença ao Senhor, só ele salva por meio de Cristo, no entanto, Deus se agrada em realizar o plano da salvação utilizando instrumentos humanos. Se Timóteo permanecer firme no Senhor Jesus, ele continuaria a ser um instrumento usado por Deus para levar o evangelho da salvação, que culminaria com a salvação de alguns que o ouvissem.



NOTAS DE COMENTÁRIOS BÍBLICOS UTILIZADOS:

4- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 187.
5- William Barclay. 1 Timóteo, pág 110.
6- John Stott citando Lock pág 50.  A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 116.
7- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 187, 188.
8- Fritz Rienecker e Cleon Rogers. Chave línguistica do Novo testamento grego, pág 464.
9- Bíblia de estudo Macarthur. Notas de rodapé.
10- Hans Burki. 1 Timóteo comentário Esperança, pág 56.
11- Bíblia de estudo Macarthur. Notas de rodapé.
12- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 116.
13- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 188.
14- Warren Wiersbe. Comentário bíblico expositivo, pág 294.
15- Fritz Rienecker e Cleon Rogers. Chave línguistica do Novo testamento grego, pág 464.
16- Bíblia de estudo Macarthur. Notas de rodapé.
17- Bíblia de estudo Genebra.  Notas de rodapé.
18- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 189.
19- Warren Wiersbe. Comentário bíblico expositivo, pág 294.
20- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 190.
21- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 117.
22- Ibid.
23- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 190.
24- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 118.
25- Fritz Rienecker e Cleon Rogers. Chave línguistica do Novo testamento grego, pág 464.
26- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 192.
27- Bíblia de estudo Macarthur. Notas de rodapé.
28- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 196.
29- John Stott citando Hanson pág 92. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 119.
30- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 197.
31- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 119.
32- Fritz Rienecker e Cleon Rogers. Chave línguistica do Novo testamento grego, pág 465.
33- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 120.
34- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 198. 
35- Ibid.
36- Ibid, pág 199.
37- Bíblia de estudo Macarthur. Notas de rodapé.
38- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 199.
39- Hans Burki. 1 Timóteo comentário Esperança, pág 62.
40- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 200.
41-  William Barclay. 1 Timóteo, pág 110.
42- Hans Burki. 1 Timóteo comentário Esperança, pág 62.
43- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito, pág 201.
44- Warren Wiersbe. Comentário bíblico expositivo, pág 296.
45- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 124.
46- Warren Wiersbe. Comentário bíblico expositivo, pág 296.
47- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito, pág 125.



CONCLUSÃO


      Conforme vimos, o verdadeiro pastor deve possuir estas qualidades. Ele deve ser fiel no ensino da palavra de Deus, dedicar-se no estudo dela, rejeitar falsas doutrinas, manter uma disciplina espiritual, dedicar-se ao serviço cristão, reconhecer para quem e para quê está exercendo o serviço cristão, praticar a palavra da Deus, reconhecer a autoridade que nos lhe dada por Deus, exercitar o seu dom, progredir na vida cristã e permanecer firme.

Estas são qualidades que não estão limitadas somente ao pastor, mas abrange também todos os cristãos, por isso, devemos buscar ter todas estas qualidades essenciais, para que possamos ter uma vida cristã promissora, e que agrade e glorifique a Deus a cada vez mais, que é objetivo da nossa existência e viver diário.  







VERSÕES BÍBLICAS UTILIZADAS e LEXICOS GREGOS:

1- ARA (Almeida revista atualizada)
2- NBV (Nova bíblia viva).
3- NVI (Nova versão internacional)
4- BLC (Bíblia em linguagem contemporânea)
5- NTLH (Nova tradução na linguagem de hoje)
6- ARC (Almeida revista e corrigida)
7- BJC (Bíblia judaica completa)
8- BJ (Bíblia de Jerusalém)
9- Novo Testamento interlinear grego português.
10- Fritz Rienecker e Cleon Rogers. Chave línguistica do Novo testamento grego.


COMENTÁRIOS BÍBLICOS CONSULTADOS:

1- William Hendriksen. 1, 2 Timóteo e Tito.
2- John Stott. A mensagem de 1 Timóteo e Tito.
3- Warren Wiersbe. Comentário bíblico expositivo.
4- Hans Burki. 1 Timóteo comentário Esperança.
5- William Barclay. Comentário bíblico de 1 Timóteo.
6- Comentário bíblico NVI.
7- Bíblia de estudo Macarthur.
8- Bíblia de estudo Genebra.

Observação:

NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

pags