CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

A ORAÇÃO DE FÉ - VINCENT CHEUNG


Entre vocês há alguém que está sofrendo? Que ele ore. Há alguém que se sente feliz? Que ele cante louvores. Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor. A oração
feita com fé curará o doente; o Senhor o levantará. E se houver cometido pecados, ele será perdoado. Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz. (Tiago 5.13-16)
Devemos viver toda a vida em relação a Deus e reconhecê-lo em todas as coisas. Se uma pessoa está sofrendo ou em apuros, ela não deveria chafurdar em medo e autopiedade, ou confiar unicamente em recursos humanos para resgatá-la, mas deveria voltar sua mente para Deus, e orar por ajuda e libertação. E não devemos esquecê-lo se estivermos felizes e confortáveis; antes, deveríamos oferecer-lhe ações de graças e cânticos de louvor.
Então, se alguém está doente, ele deve chamar um médico imediatamente. O quê? Não é isso o que Tiago diz? Ó, ele manda chamar os presbíteros da igreja para que eles possam orar. É para orar a fim de que o homem possa suportar a enfermidade “para a glória de Deus”? Ó, ele diz para eles orarem a fim de que o homem receba a cura e para que o Senhor o levante. O seu seminário ensina isso? A sua igreja sequer permite isso?
Se uma pessoa discorda de Tiago, ou se ela amontoa desculpas para que possa ensinar algo diferente – até mesmo o exato oposto – é porque Tiago contém erros e está fora de moda, ou é porque tal pessoa está ensinando rebelião contra o Senhor? E se eu não posso orar por cura quando estou doente, por que ainda posso orar quando estou sofrendo ou em apuros? E quando estou feliz, por que deveria ainda oferecer cânticos de louvor? Tiago não faz nenhuma distinção dispensacionalista no meio de sua passagem.
O fundador de um movimento de aconselhamento bíblico reclama que os cristãos são inconsistentes quando se trata de resolver problemas espirituais ou psicológicos. Eles alegam crer na suficiência de Cristo e da Escritura, e de fato eles pelo menos tentam ser consistente quando se trata da nossa justificação diante de Deus, e dessa forma afirmamos que somos tornados justos por Jesus Cristo através do dom da fé, à parte das nossas obras e méritos. Mas então esses mesmos cristãos buscam ajuda de terapeutas e psicólogos que aconselham com base em teorias e métodos antibíblicos, a fim de resolver problemas como medo, raiva, depressão, vícios, pecados e hábitos destrutivos, e conflitos matrimoniais. Ele insiste corretamente que a Escritura é suficiente para fornecer orientações nessas áreas.
Contudo, quando ele aborda os males físicos, ou mesmo problemas psicológicos que surgem de defeitos físicos, tais como desequilíbrio químico, de repente parece que o poder de Cristo é suficiente apenas quando a questão não toca a esfera física. No momento em que suspeita-se que haja alguma base física para o sintoma psicológico, o assunto é encaminhando a um médico profissional. Ué, Jesus Cristo é bom para a alma, mas inútil para o corpo? Qual seria mais fácil dizer: “Seus pecados estão perdoados” ou  “Levante-se e ande”? Mas o Filho do Homem tem poder para fazer as duas coisas.
Para adicionar hipocrisia à incredulidade, esse teólogo, esse estudioso, esse defensor da suficiência bíblica e do aconselhamento bíblico, escreve a partir de uma tradição teológica que enfatiza o governo de Deus sobre todas as coisas. Espera-se que consideremos o corpo como santo, integrante da pessoa humana assim como a alma; todavia, Deus regenerará a alma e encherá de poder divino, mas deixará o corpo aos doutores não cristãos. Confiamos em Deus para o nosso perdão, e para o nosso bem-estar pessoal, mas confiar nele para a saúde é o cúmulo da imprudência, e ensinar sobre oração para cura física é dar às pessoas falsa esperança. Que doutrina estranha é essa? Tiago não sabe nada sobre isso. Ela não procede da fé, mas da incredulidade, e do diabo.
Há argumentos que apelam à situação daqueles dias. A assistência médica era precária, onerosa e perigosa, e frequentemente associada com paganismo. Mas isso não difere fundamentalmente do cenário contemporâneo. Quantas pessoas recebem assistência médica boa, mesmo nas nações ocidentais desenvolvidas? E mesmo que você pense que os médicos possuem os próprios poderes de Deus, o que dizer sobre os milhões de pessoas que residem em outros países? A verdade é que, mesmo em nossa nação, a assistência médica é geralmente onerosa e perigosa, e os médicos são evolucionistas. A situação não mudou tanto quanto os teólogos querem acreditar. Mas mesmo supondo que a situação tenha melhorado muito, a implicação mais perturbadora permanece; é que esses teólogos desejam convencer você que Deus é sempre o último recurso, mesmo em face de um ensino bíblico explícito para buscá-lo em primeiro lugar. O que explica essa maneira desconcertante de pensar? Incredulidade.
Tudo isso não é um argumento ou proibição contra a medicina. Visto que já fiz uma declaração sobre isso em outro lugar (não existe nenhuma condenação – chame um médico, ou chame cinquenta se quiser, mas não faça de você mesmo algum tipo de herói da fé quando faz isso, e não chame a sua recuperação de um milagre), [1] eu não repetirei tudo aqui; apenas observarei que eu já refutei também a visão que por unção com óleo Tiago tencionava combinar remédio e oração (se alguém insiste em combiná-las com base nessa passagem, então ele pode mandar os presbíteros da igreja realizar as cirurgias, ou então abandonar o fingimento e admitir que ele deseja afirmar uma visão alternativa, mudando apenas o que ele deseja mudar, reivindicando em todo tempo suporte bíblico). Antes, estou insistindo que, a menos que haja um argumento infalível e bíblico para agir de outra forma, não há razão para anular um mandamento explícito na Escritura, e aqui isso significa que os líderes da igreja devem orar com fé para a cura do seu povo. Nenhuma manobra histórico-redentiva pode fazer este texto significar o oposto do que ele diz. Ou você crê nele e obedece, ou não.
Quanto ao método, embora Tiago diga que os presbíteros deveriam ungir o doente com óleo, entende-se que essa não é a única maneira. É sem dúvida uma maneira, e aceitável, e deveria ser seguida quando a atenção de alguém está focada sobre este texto. Mas a Escritura mostra que a cura é efetuada por imposição de mãos, e por oração ou palavra de mandamento sem qualquer contato físico. Há muita liberdade e poder em Jesus Cristo.
A coisa essencial é a fé. É fácil pronunciar uma oração de dúvida e incredulidade quando a pessoa crê em nada, nada espera, nada pede e nada recebe. Mas não vamos nos contentar com aquilo que é natural para o velho homem, cheio de pecado. Não sejamos meros ouvintes da palavra, e assim nos enganarmos, mas sejamos praticantes da palavra também. Vivamos verdadeiramente tudo da vida em relação a Deus e o reconheçamos em todas as coisas, mesmo quando se trata da saúde dos nossos corpos. E quer chamemos ou não médicos, quando falharmos em orar com fé ou quando nossa oração não trouxer cura, admitamos nossa falha e imploremos por graça, em vez de continuar num estado de ilusão. Sem dúvida reconhecemos a soberania de Deus, mas a Bíblia nunca usa isso para escusar a incredulidade. A pior coisa que podemos fazer é justificar a nós mesmos condenando Tiago à irrelevância.
Fonte: Sermonettes, Volume 4, p. 32-34
Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto – novembro/2011

0 comentários :

Postar um comentário

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria