CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

CTO - CURSO GRATUITO DE TEOLOGIA ONLINE

FUNDO

TEMOR A DEUS: A BASE DE UMA VIDA ABENÇOADA - LEONARDO DAMASO


TEXTO BASE: Sl 111.10/ 112.1-10


INTRODUÇÃO

     “O salmo 112 está no centro dos 3 salmos que começam com a expressão aleluia, ou em outras
traduções bíblicas, louvai ao Senhor (vs.1a), que é o significado do hebraico que expressa um chamado para louvar a Deus. Este salmo forma um par bem próximo com o Salmo 111. Ambos não somente são acrósticos, como também se completam em termos de conteúdo.

      Enquanto o salmo 111 enfoca a glória de Deus e seus feitos, o salmo 112 descreve o homem justo que aprendeu o que significa o temor de Deus, e qual é o resultado dessa obediência na vida prática. O salmo 112 é semelhante ao salmo 1. Como são salmos de sabedoria, ambos descrevem o prazer da justiça, em contraste com os sofrimentos dos ímpios”.1


ARGUMENTAÇÃO


      Antes de analisar todo o conteúdo do salmo, precisamos entender primeiramente, o que significa temer a Deus?

      Temer a Deus é tributar grande respeito ou reverência a Ele. É reconhecer a sua soberania, grandeza e entender que você e eu dependemos do Senhor, e que e Ele está no controle de tudo, e que vamos dar contas a Ele de todos os nossos atos (Rm 14.12).

 Vejamos agora em:

1) As bênçãos provenientes de Deus a pessoa que o teme na vida individual (vs.1b).

 UMA VIDA FELIZ.

     A causa de muitos cristãos hoje estarem tristes, frustrados na vida cristã, com a igreja e com a sua própria vida, é pelo fato de não temerem a Deus. Tudo isso devido ao um estilo de vida de pecaminoso. Uma pessoa só vai desfrutar de uma vida feliz se ela tiver essa atitude de temer a Deus acima de tudo.
     O termo “tem grande prazer” (1.c) do hebraico chafets; significa ter deleite em alguma coisa, estar inclinado a alguém, amar e desejar.2 Aqui, uma pessoa abençoada e feliz não considera os mandamentos de Deus um fardo pesado a se obedecer, mas prazerosos, atrativos, deleitosos, agradáveis e desejosos em guardar.

Aqui o salmista descreve o imenso prazer que o homem temente a Deus tem em observar e guardar a sua palavra, no sentido de obedecer aos mandamentos do Senhor.    

(Sl 119.143b) os teus mandamentos são o meu prazer.

(Pv 19.23) O temor do SENHOR encaminha para a vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e não o visitará mal nenhum.

2) As bênçãos provenientes de Deus a pessoa que o teme na vida familiar (vs.2-3a).

 A SUA DESCENDÊNCIA FAMÍLIAR SERÁ ABENÇOADA.

      Aqui é retratada uma promessa referente a Israel nos tempos do salmista, ao judeu piedoso que temia a Deus e tinha a sua família e suas gerações posteriores grandemente abençoadas, como recompensa da sua fidelidade a Jeová (vs.2).

      Estas bênçãos tinham um caráter material e social especificamente, no que tange abundância de bens materiais (vs.3a) (Dt 28) como, posse de terras, grandes rebanhos, alianças, acordos de paz e financeiros, vitórias sobre os inimigos entre outras coisas. Como vemos relatado no Antigo testamento na história dos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó.

      Porém, no Novo testamento, vemos pouca ênfase na recompensa material, em contraste com o Antigo testamento, em que a recompensa pela obediência era dada em bens materiais como eu acabei de mencionar. No entanto, os princípios mais amplos do salmo ainda são válidos para nós hoje, que estamos na nova aliança.

     Não obstante, quando tememos a Deus e praticamos a sua palavra, pelo nosso testemunho de vida cristã, somos abençoados tanto materialmente, com o necessário para nós vivermos bem (Mt 6.31-33), quanto espiritualmente. Pois as riquezas do justo são espirituais. Entre elas são os dons do Espírito, paz, segurança, promessas, livramentos, providência e a principal riqueza, a vida eterna.

(2 Pe 1.3-4) Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude; Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.

APLICAÇÃO (vs.3,6b,9b)

     Quando o homem justo está debaixo do temor do Senhor, a sua casa, os filhos, os netos, a sua família em geral terá através do seu bom testemunho de vida cristã o exemplo para pautarem as sua vidas também nos caminhos de Deus (se assim for da vontade do Senhor que se convertam).

E mesmo depois de sua morte, esse homem será lembrado pelo seu temor a Deus e por ter andado nos seus caminhos (vs.3b) e assim serão abençoados todos os descendentes posteriores de sua família no decorrer de suas vidas também no temor do Senhor.

3) As bênçãos provenientes de Deus a pessoa que o teme na vida cotidiana (4.a).

 LIVRAMENTO NAS DIFICULDADES.

      Deus geralmente não nos livra de situações adversas, mas nestas situações. Ele provê o escape para nós em meio à tribulação e angustia. O Senhor não vai deixar o cristão que o teme para sempre desempregado, com problemas financeiros, em necessidades, sendo perseguido no trabalho, doente e triste.

      Em meio às situações de “trevas” na nossa vida, Deus fará surgir à “luz”, que simboliza a vitória, o escape, o livramento e a mudança de uma situação difícil e calamitosa, para uma situação de repleta alegria e benção.

(Jó 42.10) E o SENHOR virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o SENHOR acrescentou, em dobro, a tudo quanto Jó antes possuía.

4) O caráter moral de quem teme a Deus (vs.4b).

a) PIEDOSO MISERICORDIOSO E JUSTO.

     Estes termos são também usados no Salmo 111 na descrição que o autor faz dos atributos comunicáveis de Deus. Expressa o tratamento de Deus aos que o reverenciam; (O Senhor sendo piedoso misericordioso e justo para com alguém que o teme).

 Esta é uma aplicação da verdade eterna que declara que um homem que teme ao Senhor Jesus tem essas qualidades. Ele é piedoso, misericordioso com os outros e justo porque se torna cada vez mais parecido com Cristo, no que se refere a sua humanidade impecável (1 Cor 11.1; Ef 5.1).

b) LIBERAL (vs.5,9a).

      O homem que teme a Deus é generoso. Quando este vê o seu próximo em dificuldade, logo se mostra benevolente e liberal em ajudar por amor a Deus e a própria pessoa.

      “O termo se compadece e empresta”, vem do hebraico hanan, que denota um sinal de bondade para com alguém inferior.3 Na literatura de sabedoria, este verbo é usado principalmente nas relações humanas, para indicar atos de benevolência para com alguém necessitado.

      Seja ajudar financeiramente ou em qualquer outra dificuldade, o homem que teme a Deus tem prazer ajudar naquilo que ele pode, dentro de suas condições. E o resultado dessa atitude de se importar com o seu próximo, o texto diz que este homem “irá bem”, ou seja, que desfrutará de grande felicidade na vida.

(Sl 41.1a) Bem-aventurado é aquele que atende ao pobre;

c) HONESTO (vs.5b).

     Esta parte final do (vs.5) ressalta a continuação do resultado das bênçãos de Deus provenientes do temor do homem justo, no qual todo o salmo especifica. E o verso termina de uma forma enfática: “disporá as suas coisas com juízo”; A tradução mais correta e fiel ao hebraico para este texto poderia ser esta: Feliz aquele que empresta; “e conduz os seus negócios com honestidade”.

d) ESTÁVEL (vs.6).

      O caráter do homem que teme a Deus possui estas 3 marcas fundamentais:  firmeza, constância e abundância no Senhor (1Cor 15.58).

      A pessoa que é estável não se deixa ir de um lado para o outro, ela não desanima, não retrocede, não se deixa permanecer abalada por alguma circunstância negativa da vida, pelas más noticias que o desemprego aumentou e a economia Brasileira vai de mal a pior.

      O cristão que é estável não pensa em desistir da fé e da igreja por causa dos ventos e tempestades que o assolam, pelas perseguições dos seus inimigos, mas continua perseverante na fé, na igreja, fazendo a obra do Senhor, na presença de Deus e produzindo a cada dia mais frutos que glorificam a Deus.

      O homem justo que teme a Deus também não é inconstante, conforme (Tg 1.8) O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos.
      
      No grego, “O homem dúplice é instável em todos os seus caminhos”. O sentido do verso traz a idéia de um homem com alma dupla, mente dividida, com a alma dividida entre a fé e o mundo. A pessoa é vacilante em todas as suas atividades e na sua conduta. Como conseqüência, não se pode contar e confiar nessa pessoa para nada, principalmente em relação à obra de Deus.4


CONCLUSÃO


5) O resultado de quem teme a Deus na adversidade e a recompensa do ímpio (vs.7,8,9c,10).

      Através de todas as suas virtudes, o homem que teme a Deus traz a estampa da bênção divina na sua vida. Como conseqüência de uma vida debaixo do temor do Senhor Jesus, o justo não precisará se preocupar com as dificuldades da vida, pois ele sabe que Deus é capaz de livrá-lo e verá o seu desejo cumprido com a derrota dos seus adversários (vs.7-8).

      O justo é exaltado pelas suas boas obras que demonstraram a sua fé genuína em Deus (vs.9c). Enquanto que o ímpio invejoso o vê desfrutar de honra e prosperidade, e o seu próprio desejo perece mediante o opróbrio e a frustração (vs.10).

(Dt 32.36) Porque o SENHOR fará justiça ao seu povo, e se compadecerá de seus servos;

APLICAÇÃO

      Você é uma pessoa que teme a Deus? Você tem experimentado todas essas bênçãos decorrentes da sua obediência e fidelidade ao Senhor ou não?  Se você não tem ainda temido ao Senhor você está em pecado.

(Pv 16.6b) pelo temor do SENHOR os homens se desviam do pecado. Hoje é o dia de você começar a temê-lo e a viver uma vida íntegra na presença de Deus, assim você desfrutará de todas estas bem aventuranças divinas de quem teme ao Senhor em todas as áreas da sua vida.

(Ec 12.13) De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem.


NOTAS;

1- Bíblia de estudo genebra. Notas de rodapé.
2- Dicionário de hebraico do Antigo Testamento James Strong.
3- Ibid.
4- Fritz Rienecker e Cleon Rogeres. Chave lingüística do grego do Novo Testamento.

2 comentários :

  1. Temor a Deus...
    C. H. Spurgeon disse certa vez:

    "A verdadeira conversão tira o desespero, mas não a capacidade de arrepender-se"

    Temor não é medo. Não temos medo de Deus,mas um santo temor, que mesmo ao pecarmos não nos amedronta, mas nos quebranta. Aleluia!

    ResponderExcluir
  2. Amém, irmão. Muito bom. Fui muito edificado!
    O temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Ele é a pedra fundamental no processode santificação.
    Que a Palavra do Senhor, ministrada pelo seu Santo Espírito, o promova, cada dia mais, em nossos corações.
    Deus o abençõe!

    ResponderExcluir

OBSERVAÇÃO:
NEM TODAS AS POSTAGENS TRADUZEM, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO SITE MATÉRIAS DE TEOLOGIA

Soli Deo Gloria